Em Passo Fundo está liberado beber na rua e depois dirigir

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

A carência de servidores no setor público leva a um desrespeito total pelas leis em vigor. Vou citar alguns exemplos aqui de Passo Fundo, mas que ocorrem por todo o país. Tem uma lei que proíbe ingerir bebidas alcoólicas em via pública, no entanto, a grande maioria que tem este hábito desconhece a lei e os que conhecem não dão bola, afinal não existe nenhum tipo de fiscalização para coibir. Pior que isto é que quem toma “cachaça” na rua normalmente está de carro e depois sai dirigindo normalmente como se não existisse uma lei que proíbe dirigir alcoolizado. Isso tudo acontece, por falta de consciência e responsabilidade dessas pessoas, pois as leis, por si só, deveriam valer e ser respeitadas, mesmo que não tenha fiscais ou polícia, lembrando às 24 horas do dia. A própria constituição prevê que o cidadão é obrigado a conhecer e respeitar as leis.

 

Estabelecimentos incentivam o desrespeito

No caso de Passo Fundo tem algumas situações pontuais, nas ruas independência e general Neto, onde a vizinhança, além de não aguentar mais a perturbação do sossego público, está apavorada com os excessos. A farra acontece em frente de estabelecimentos tradicionais em incentivar a baderna, por isso, uma fiscalização conjunta da Guarda de Trânsito, Brigada Militar e Secretaria de Finanças é urgente, tendo em vista que o verão está só começando e todo o ano é a mesma reclamação.

 

Poluição visual também precisa ser combatida

Parabéns a Associação do centro da cidade que, em forma de mutirão e com recursos próprios, realizou algumas melhorias na Praça da Cuia. Entre as melhorias, a pintura dos banheiros, existentes no local que estavam completamente pichados. Tem uma lei, de minha autoria, aguardando a sanção do executivo que irá possibilitar que o próprio pichador repare o prejuízo causado ao patrimônio público. Mesmo que a lei ainda não tenha entrado em vigor, temo que seja mais uma que não será respeitada, por falta de fiscalização, se fosse, iríamos acabar com essa pratica de uns sujarem e outros limparem. É preciso que cada um assuma a responsabilidade pelos seus atos.

 

Dizem por aí... Que vem muita dor de cabeça pela frente, aos que bebem na rua, por conta da ressaca e a vizinhança, por ter que conviver com a perturbação dos bebuns. Será verdade?

Leia Também Concessões e privatizações para salvar o Estado Redução da maioridade penal só com uma nova constituinte Brasil acima de tudo! Estado falha e municípios pagam a conta da saúde