Direção da Cotrijal se reúne com governador eleito Eduardo Leite

Compartilhe

Seguindo série de encontros com entidades representativas do setor, o governador eleito do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) esteve  na Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS). Ele participou, juntamente com o vice-governador eleito, Ranolfo Vieira Júnior (PTB), e o deputado estadual Ernani Polo (Progressistas) da reunião do Conselho de Administração da entidade, onde conversou com os dirigentes das cooperativas agropecuárias. 

O presidente da Cotrijal, Nei César Mânica, participou da agenda e destaca a importância do diálogo com o governo do Estado. “Aproveitamos para, junto com as demais cooperativas, apresentar pautas de interesse do setor e já convidar o governador para a Expodireto Cotrijal 2019”, informou.

O presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires, apresentou a estrutura da rede de cooperativas agropecuárias gaúchas ligadas à entidade, que representaram faturamento de R$ 20,8 bilhões em 2017 e que são responsáveis pelo recebimento de 52% da safra de soja do Rio Grande do Sul, além de 67% do trigo e 45% do leite produzido no Estado.

Entre os temas discutidos na reunião com Leite, estiveram em pauta a desburocratização do Estado para investimentos do setor. “A questão principal é vencer a desconfiança do empreendedor. As cooperativas gaúchas hoje estão em outro patamar e somos parceiros para construir uma nova agenda de desenvolvimento”, destacou o presidente da FecoAgro/RS.

O governador eleito afirmou que as estruturas do Estado devem atender à institucionalização das boas práticas de gestão, independente de nomes. Leite ressaltou ainda que o governo deve dar celeridade aos empreendimentos. “A grande agenda que me moveu foi a da competitividade. Precisamos agilidade e redução de custos para quem produz. Precisamos dar espaço para quem quer empreender”, observou. 

Na questão agropecuária, o presidente da FecoAgro/RS reafirmou que três culturas estratégicas são necessárias com o apoio de políticas públicas para alavancar os resultados dos produtores: trigo, milho e arroz. “A agricultura precisa ter sua força nesta caminhada e estas culturas necessitam de políticas públicas fortes”, salientou Pires.

Sobre a manutenção da estrutura da Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), Leite disse que ainda está avaliando as posições e considerações. “Mas, independentemente da forma de estrutura, o setor terá meu respeito e acesso livre ao gabinete do governador. Vamos trabalhar com políticas públicas e estruturar este fortalecimento”, reforçou o governador eleito. 

Em um segundo momento, a logística foi tema da reunião com o governador eleito. O presidente da CCGL, Caio Vianna, apresentou para Leite o trabalho realizado em relação ao Porto de Rio Grande, onde a central administra os terminais Termasa/Tergrasa. Até outubro, a estrutura das cooperativas foi responsável pela exportação de 7,36 milhões de toneladas de soja de um total de 11,83 milhões.

O governador eleito recebeu a notícia de que há previsão de investimentos no Porto de Rio Grande para aumentar a capacidade de exportação de soja e abrir mais espaço para o embarque de arroz. Entretanto, segundo os dirigentes cooperativistas, é preciso destravar trâmites burocráticos para o avanço do projeto.

Assessoria de Imprensa da Cotrijal

*Com fotos e informações da Assessoria de Imprensa da FecoAgro/RS

Leia Também Nitrato: especialista fala à Planalto News se existe temor de explosão em adubos Contas de luz da Coprel ficarão mais baratas Receita Federal de Passo Fundo apresenta relatório final da 1ª Fase da Operação DeclaraGrãos Dia 28 de julho: data para homenagear todos os agricultores