Direção da Cotrijal se reúne com governador eleito Eduardo Leite

Compartilhe

Seguindo série de encontros com entidades representativas do setor, o governador eleito do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) esteve  na Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS). Ele participou, juntamente com o vice-governador eleito, Ranolfo Vieira Júnior (PTB), e o deputado estadual Ernani Polo (Progressistas) da reunião do Conselho de Administração da entidade, onde conversou com os dirigentes das cooperativas agropecuárias. 

O presidente da Cotrijal, Nei César Mânica, participou da agenda e destaca a importância do diálogo com o governo do Estado. “Aproveitamos para, junto com as demais cooperativas, apresentar pautas de interesse do setor e já convidar o governador para a Expodireto Cotrijal 2019”, informou.

O presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires, apresentou a estrutura da rede de cooperativas agropecuárias gaúchas ligadas à entidade, que representaram faturamento de R$ 20,8 bilhões em 2017 e que são responsáveis pelo recebimento de 52% da safra de soja do Rio Grande do Sul, além de 67% do trigo e 45% do leite produzido no Estado.

Entre os temas discutidos na reunião com Leite, estiveram em pauta a desburocratização do Estado para investimentos do setor. “A questão principal é vencer a desconfiança do empreendedor. As cooperativas gaúchas hoje estão em outro patamar e somos parceiros para construir uma nova agenda de desenvolvimento”, destacou o presidente da FecoAgro/RS.

O governador eleito afirmou que as estruturas do Estado devem atender à institucionalização das boas práticas de gestão, independente de nomes. Leite ressaltou ainda que o governo deve dar celeridade aos empreendimentos. “A grande agenda que me moveu foi a da competitividade. Precisamos agilidade e redução de custos para quem produz. Precisamos dar espaço para quem quer empreender”, observou. 

Na questão agropecuária, o presidente da FecoAgro/RS reafirmou que três culturas estratégicas são necessárias com o apoio de políticas públicas para alavancar os resultados dos produtores: trigo, milho e arroz. “A agricultura precisa ter sua força nesta caminhada e estas culturas necessitam de políticas públicas fortes”, salientou Pires.

Sobre a manutenção da estrutura da Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), Leite disse que ainda está avaliando as posições e considerações. “Mas, independentemente da forma de estrutura, o setor terá meu respeito e acesso livre ao gabinete do governador. Vamos trabalhar com políticas públicas e estruturar este fortalecimento”, reforçou o governador eleito. 

Em um segundo momento, a logística foi tema da reunião com o governador eleito. O presidente da CCGL, Caio Vianna, apresentou para Leite o trabalho realizado em relação ao Porto de Rio Grande, onde a central administra os terminais Termasa/Tergrasa. Até outubro, a estrutura das cooperativas foi responsável pela exportação de 7,36 milhões de toneladas de soja de um total de 11,83 milhões.

O governador eleito recebeu a notícia de que há previsão de investimentos no Porto de Rio Grande para aumentar a capacidade de exportação de soja e abrir mais espaço para o embarque de arroz. Entretanto, segundo os dirigentes cooperativistas, é preciso destravar trâmites burocráticos para o avanço do projeto.

Assessoria de Imprensa da Cotrijal

*Com fotos e informações da Assessoria de Imprensa da FecoAgro/RS

Leia Também Soja nasceu mal e pode afetar o rendimento Apassul festeja 50 anos em Passo Fundo Produtores de leite de Passo Fundo aderem ao Programa Boas Práticas da Nestlé Colheita do trigo está quase concluída no RS