Alterações no Plano Municipal de Educação são aprovadas

Compartilhe

Com pareceres de duas comissões permanentes favoráveis, a primeira proposta de alteração ao Plano Municipal de Educação (PME) foi à votação. Na tarde desta segunda-feira (26), 15 vereadores aprovaram o Substitutivo que, de autoria do vereador Roberto Gabriel Toson (PSD), acrescenta à palavra gênero, ao longo de todo o documento, as especificações feminino e masculino.

As modificações envolvem nove estratégias, presentes em cinco metas. “Nosso objetivo é deixar mais clara a definição do termo gênero não o suprimindo, mas tornando seu significado completamente específico”, justificou Toson.

O Substitutivo recebeu posicionamentos favoráveis das comissões de Finanças, Planejamento e Controle (CFPC) e de Patrimônio e de Desenvolvimento Urbano e de Interior (CPDUI). As comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e de Cidadania, Cultura e Direitos Humanos (CCCDH) foram, inicialmente, contrárias às modificações, argumentando que qualquer mudança no Plano deve passar por um amplo debate.

Na apreciação, os vereadores Alex Necker (PCdoB) e Gleison Consalter (PSB) foram os únicos a manifestar voto incompatível com o restante do Plenário. Para Necker, “as alterações no documento precisam advir da sociedade”, que deve ser o principal membro das discussões. “Além disso, a legislação que essa Casa aprovou e que foi sancionada pelo prefeito, no fim de 2015, diz que o PME só poderá ser modificado após quatro anos de sua implementação. Estamos atropelando a ordem prevista na legislação”, afirmou.

O Substitutivo foi feito a um Projeto de Lei elaborado pelos vereadores Mateus Wesp (PSDB) e Ronaldo Rosa (SD), que, ainda neste ano, iniciaram um movimento pela retirada da palavra gênero do Plano. Agora, a proposta de especificá-lo segue para o Executivo, que tem 15 dias para sancionar ou vetar. Em resumo, a decisão cabe à Casa, uma vez que, se houver veto, ele deve ser acatado ou não pelo Parlamento.

Plenário polarizado

Durante a Sessão, o Plenário ficou dividido entre pessoas favoráveis e contrárias ao Substitutivo. As que concordam com as alterações identificam que a questão de gênero não deve ser discutida com crianças. “Esta discussão vai ser permanente, mas o que nós queremos evitar é que esse tipo de assunto seja discutido com as crianças menores, que não têm condições de entender adequadamente essas questões. Elas precisam é ser orientadas pelas próprias famílias”, destacou o empresário Vilson Nazzari.

Já a professora Regina dos Santos explanou que o PME não é um referencial curricular, mas regulamenta políticas públicas para a educação, que caminham no sentido de promoção da igualdade e respeito à diversidade. “Acredito que esta votação foi um desrespeito ao processo democrático construído junto com todos os segmentos. Foi um desrespeito à diversidade e um retrocesso nas discussões”, considerou.

Foto: Comunicação/Câmara de Vereadores

Leia Também Professores municipais rejeitam índice oferecido pelo Executivo Fecars apresenta primeira etapa de resultados Empossados os novos professores municipais Medicina Veterinária da IMED promove 4ª edição do Trote Cãolidário