Uma sociedade doente!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

Ainda estamos impactados com o acontecido na cidade de Campinas onde um cidadão puxou a arma de fogo e saiu atirando em todos os que encontrava pela frente. Aquilo que ouvíamos como notícias de outros países agora acontece aqui. Diz-se que a pessoa estava doente, com um quadro de depressão.

 É possível ir mais longe. Perguntamos se a nossa sociedade não está doente, precisando de um sério tratamento para que não entre em um processo de autodestruição com consequências desastrosas. 

Alguns sinais da doença social têm se manifestado nos últimos anos através de posicionamentos fundamentalistas, sustentados por discursos violentos, voltados contra o que soa diferente, pensa diferente ou propõe caminhos diferentes. A diferença, outrora sinal da riqueza de um povo, passou a ser vista como ameaça e como tal passível de ser exterminada. Um acidente de trânsito pode terminar em ameaça a vida das pessoas, não pelo acidente, mas pelo modo como é interpretado. O outro não tem o direito de errar. Qualquer erro merece punição.

No período que antecedeu as eleições, causou espanto vermos jovens cristãos, membros de nossas comunidades, fazendo o sinal de uma arma apontada, marca registrada de certo candidato à presidência de República. Eram jovens que se diziam seguidores de Jesus Cristo. O conhecimento que tenho da vida de Jesus não me indicou algum momento em que Ele incitou ou fez uso de violência, ou instrumento de violência para defender suas ideias. Tenho sérias dúvidas se estes jovens seriam um diferencial em nossa sociedade. Um diferencial a partir da pessoa e da proposta de Jesus e não das pseudo doutrinas cristãs que se disseminam nas redes sociais. Talvez estejam tão doentes como a nossa sociedade.

Uma sociedade que apela para instrumentos de violência como mecanismo para defesa e manutenção da paz está equivocada. Algo falhou no processo e faz-se necessário uma profunda revisão.

Não imaginamos o que se passava na cabeça do cidadão quando tentou matar seus semelhantes. Contudo, sabemos que fez uso de arma de fogo. Uma sociedade adoentada e com um grau elevado de intolerância não pode acolher a liberação de armas para o seu cidadão. O que é visto como remédio pode ser veneno mortal.

Leia Também Municípios receberão R$ 44 milhões para salas de vacinação Na escola da Misericórdia A fábula do vestidinho azul Jamais abdicar da democracia!