Com a palavra a primeira-dama do Brasil!

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

A cerimônia de posse do presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, foi marcada pela presença e protagonismo destacável da primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro. Para quem esperava uma participação discreta e sem expressão, Michelle surpreendeu a todos com a abertura do discurso de posse em libras (linguagem de sinais brasileira para surdo-mudo) que foi traduzido simultaneamente por uma tradutora. O discurso, elaborado por ela, teve a preferência histórica ao discurso do presidente eleito, retirando aplausos e gritos da platéia que assistia emocionada ao cerimonial de posse. Atendendo ao pedido do público de mais de cem mil pessoas que assistiam a cerimônia, Michelle deu um beijo em Bolsonaro, quebrando mais uma vez o protocolo do evento. A primeira-dama emocionou o Brasil e o Mundo, com sua elegância, simpatia, simplicidade e autenticidade, ao proferir um discurso breve, porém, profundo em sua mensagem de gratidão, empenho, compromisso com a inclusão social e o respeito às minorias.  

O Brasil parou para assistir ao cerimonial de posse do novo presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro. Autoridades nacionais e internacionais compareceram a posse do presidente da maior economia da América Latina, eleito após uma conturbada e violenta campanha eleitoral. O presidente Bolsonaro, já vinha surpreendendo a todos com atitudes simples e inovadoras desde a época da campanha, e, no cerimonial de posse não foi diferente. Dando a preferência para iniciar o discurso a sua esposa, Michelle Bolsonaro, o presidente quebrou o protocolo e promoveu um dos momentos mais marcantes e emocionantes do evento. A primeira-dama fez um discurso de agradecimento a todos os brasileiros, comprometendo-se a realizar ações sociais de inclusão, de assistencialismo e de atendimento aos portadores de necessidades especiais, em especial aos surdos-mudos. O discurso foi histórico e emocionante, contrariando a tese de que Bolsonaro é machista e de que seu governo não iria dar atenção às questões sociais. O protagonismo brilhante de Michelle ratifica a tese de que “ao lado de um grande homem, sempre há uma grande mulher”.

A primeira-dama usou dois vestidos durante os eventos da cerimônia de posse: um deles para o desfile em carro aberto e no Parlamento do Planalto, em tons rosa e tecido acetinado. O outro foi um vestido preto longo, com rendas elegantes e sutis, para a cerimonial no Itamaraty (coquetel). Após o evento os vestidos serão leiloados e os recursos doados a instituições de caridade. Podemos dizer que a nossa primeira-dama, começou com o pé direito a sua atuação, com muita elegância, beleza, carisma e simpatia irradiante. Os brasileiros estão extremamente carentes de bons exemplos no cenário político, a fim de resgatarmos a auto-estima do povo e a moralidade de nossa Nação. Estamos buscando de forma “desesperada”, lideranças que sirvam de exemplo para nossos filhos. A nossa geração já sofreu e se decepcionou muito com as falsas lideranças, que prometeram mudar o Brasil para melhor, dar dignidade e qualidade de vida para todos, com distribuição de renda e de riquezas. Ao contrario do que foi prometido, o que ocorreu foi uma profunda crise econômica, com uma maior concentração de renda, evasão de riquezas, desemprego, corrupção e índices de criminalidade jamais vistos na história deste País.  

A mensagem de Michelle Bolsonaro para o povo brasileiro foi a de que ela não será uma primeira-dama inoperante, ao contrário: será uma primeira-dama com protagonismo de destaque ao lado do presidente Bolsonaro. Uma mulher de fibra, guerreira, sensível aos problemas sociais de nosso país. Preocupada com a acessibilidade das minorias aos programas de inclusão. Uma pessoa sensível às causas humanitárias. Uma mulher religiosa e mãe de família. Uma esposa dedicada, que a partir de agora será a nossa primeira-dama, exemplo e orgulho a todas as mulheres brasileiras.

  “Eu sou aquela mulher que fez a escalada da montanha da vida removendo pedras e plantando flores”. Cora Coralina

Leia Também Fraternidade e superação da violência Tempo da quaresma: tempo de fraternidade Seis ou meia dúzia? Acrofobia: medo de altura