Não usam os recursos

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

- Seu padre, como está sua paróquia? – achegou-se um sujeito altivo, per­guntando de maneira um tanto arrogante, depois de ter estacionado seu carro de marca, no pátio da igreja.

O padre falou-lhe rapidamente sobre a Igreja, sobre sua organização pastoral e, de modo   especial, sobre os leigos assumindo cada vez mais sua missão na comu­nidade cristã. Observou-lhe, então:

- Tudo muito bonito. Mas eu conheço tanta sujeira nessa Igreja que o senhor pintou com cores  muito lindas.

E foi enumerando os abusos no tempo da Idade Média, a riqueza e a imo­ralidade do clero, as famílias em crise, as igrejas vazias e assim por diante.

O padre concordou com o seu interlocutor, explicando que a Igreja é santa e pecadora. Por isso, os erros sempre foram inevitáveis, como consequência de quem anda. Quem caminha carrega em seus pés, a poeira própria de seus pas­sos. Mas ela está destinada a ser santa, superando as falhas. Basta usar os recursos disponíveis.

Enquanto assim explicava, observou o carro do crítico e aproveitou para ­comentar:

- Desculpe-me. Isso é falta de lavagem do carro, ou tem falhas na fabrica­ção?

- É falta de lavagem mesmo. Caso contrário, não teria sujeira.

- Meu amigo! Assim é também a Igreja. Se existem tantas misérias morais, a culpa não é da Igreja, que é obra de Deus, mas de seus membros. Lavagem existe, mas não é usada. A Igreja tem bons meios de lavagens: a oração, as boas obras, os sacramentos, de modo especial, a confissão. Se utilizássemos mais e melhor a solução da lavagem, seríamos bem melhores. A Igreja teria filhos mais ­limpos, mais decentes. Ela será mais limpa, na medida em que usarmos mais esse­ tipo de recursos.

- Está certo, este carro não tem falha na sua construção, somente está sujo por falta de lavagem, pois andei em lugares de muito barro e sujeira e ao entrar sujei o veículo – acrescentou, defendendo sua luxuosa propriedade.

- Assim acontece também com a Igreja – continuou o padre. - O proble­ma não está na Igreja e no Evangelho que ela ensina e, sim, nos seus membros. Os cristãos, da mesma forma como o senhor com seu carro, andam por tudo, ajuntam sujeira, desmoralizam a Igreja e não usam os recursos da lavagem.

As falhas na Igreja são inevitáveis, porque ela é composta por pessoas humanas, de carne e osso, com muitas tendências para o mal. E essas causam um desgaste moral muito grande entre os fiéis. E não é fácil corrigi-las. Os escândalos custam para serem superados. Mesmo assim, vale a pena usar os recursos disponíveis (o Evangelho e a doutrina da Igreja), para purificá-la de seus males.

Leia Também Fisco pode acessar dados do sistema financeiro, decide STJ Fraternidade e superação da violência Tempo da quaresma: tempo de fraternidade Seis ou meia dúzia?