Depois vão dizer

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe
Havia uma pessoa, em certa comunidade, muito preocupada com a sua própria imagem e a imagem da comunidade. Passava a ideia de que já sabia de antemão o que as pessoas opinariam sobre isto ou aquilo. Não assumia tarefas e questionava as intenções de quem quisesse assumir um serviço comunitário. Chegou ao ponto de tornar-se tão enjoado que, ninguém mais queria participar de qualquer reunião em que ele estivesse presente. 
Alguém sugeria, na reunião, para promover uma janta de confraternização. Imediatamente já atalhava: 
- Ah, mas depois vão dizer que a comunidade só quer dinheiro! 
Outro sugeria fazer uma campanha em favor de uma família carente que perdera o pai, o sustento do lar. 
- Ah, depois vão dizer, que estamos ajudando a quem não precisa! – intervinha, sem discutir maiores detalhes. 
Alguém propôs organizar uma excursão até o Santuário de Aparecida. 
- Eu sou contra, porque depois vão dizer que tem coisas mais importantes para se fazer – interveio, prevenindo possíveis comentários futuros. 
Foi sugerido organizar um grupo de missionários, para fazer “missões populares”, dentro do planejamento diocesano. 
- Ah, depois vão dizer que organizaram um grupo de fofoqueiros, para visitar as famílias. 
E assim tornou-se impossível chegar a um acordo em qualquer assunto comunitário, sem que tivesse uma alfinetada de nosso desmancha prazer. 
Nisto, alguém abriu a porta e gritou para dentro da sala de reuniões que havia fogo na casa do nosso sabe-tudo. 
Ele saiu em disparada, deixando a todos sem saber o que fazer naquele momento. 
- Vamos até lá? – sugeriu alguém na hora.
- Não! – foi a resposta de muitos, ao nível das discussões da reunião. – Depois vão dizer que fomos nós que colocamos fogo na casa. 

Em qualquer ação comunitária corre-se riscos. Quem não arrisca, também não faz nada. Não é possível prever tudo o que pode acontecer após uma decisão. Evitam-se ao máximo os problemas vindouros, mas há imprevistos que devem ser resolvidos na hora em que surgirem. Precisamos ser sempre otimistas, crendo que nada de mal vai acontecer e que temos condições de resolver problemas que eventualmente surgirem. 

Leia Também Um racha de idosos Da Cruz à Ressurreição Tríduo Pascal Qual o caminho a seguir?