O fusca do Acre, do Paulo e da Eliete

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Compartilho hoje a bonita história do amigo Paulo Maia Sobrinho, de Rio Branco, no Acre.

Há 37 anos, justamente fevereiro de 80, o fusca era o carro mais vendido no Brasil.  No nosso Acre, você tinha que enfrentar uma fila para comprá-lo na nossa velha Acrevelinda (concessionária VW).

Foi então que veio a ideia da moça que eu namorava na época.  Vamos comprar um fusca.  Como assim? Disse eu. Pois não tinha dinheiro para tal. Ela então disse: Você dá a metade e eu dou a outra metade.

Assim fizemos! Emplacamos o fusquinha e fomos para frente do palácio fazer uma foto para registrar.

Foi o maior comentário entre as amigas dela.  "Mas Eliete, tu é doida! Comprar um carro com o namorado e ainda botar no nome dele"?

Dois anos depois casamos.

Fomos morar em Manaus uma temporada. O fusquinha foi junto. Voltamos para Rio Branco, o fusquinha veio junto. Muitos diziam. "Esse fusca é a cara da Eliete".

Em 2012, perdi a dona do fusca.

Hoje, já ganhei uns aninhos a mais. Ganhei alguns cabelos brancos.  A moda da bermuda já não é a mesma.  Mas o fusquinha continua junto.

 

Muitos anos ainda lhe desejamos ao lado do fusca amigo Paulo. Grande abraço!


Leia Também Felizes: duas sabedorias em confronto Prazo para prestação de contas sobre a alimentação escolar vai até 15 de maio Tão bom que é ruim ou tão ruim que é bom? Segurança na volta às aulas