Entenda sobre a classificação dos Resíduos Industriais

Postado por: Manoela Cielo

Compartilhe

Enganam-se quem pensa que todo resíduo é lixo e que deve ser descartado da mesma maneira. Existem várias formas de classificação dos resíduos, seja pela natureza, composição química, etc.

Para entendermos melhor essa classificação dos resíduos com origem de atividades industriais, é importante o conhecimento da NBR 10004 - Classificação de Resíduos Sólidos, a qual segue os critérios dos riscos potenciais ao meio ambiente.

Essa norma divide os resíduos industriais em duas classes, classes, I e II, como perigosos, não inertes e inertes.

Resíduos de Classe I - Perigosos

São resíduos perigosos, em função de suas propriedades físico-químicas e infectocontagiosas, podem apresentar risco à saúde pública e ao meio ambiente, necessitando de um cuidado especial na sua segregação até destino final por parte do gerador, já que os mesmos podem causar graves acidentes, com significativo impacto negativo ambiental.

Esses resíduos devem ser devidamente acondicionados para posterior destino, que deve ser feito por uma empresa especializada.

Suas características são de inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade, ex: serragem contaminadas com óleo, graxas ou produtos químicos, EPI’s contaminadas (luvas e botas de couro), borra de tinta, latas de tinta, óleos minerais e lubrificantes, resíduos com thinner, resíduos de sais provenientes de tratamento térmico de metais, estopas, filtros de óleo, papéis e plásticos contaminados com graxa/óleo e varreduras, borra de chumbo, lodo da rampa de lavagem, lona de freio, filtro de ar, pastilhas de freio, lodo gerado no corte.

 Resíduos Classe II A – Não Inertes

São resíduos não inertes e possuem baixa periculosidade, porém apresentam  capacidade de reação química em certos meios, ex: resíduos orgânicos, vidros,  papéis, metais, lama de sistema de tratamento de água, limalha de ferro, fibras de vidro, vidros (para brisa), gessos, discos de corte,  EPI’s não contaminados.

Resíduos de Classe II - B

Esses resíduos possuem baixa capacidade de reação, podendo ser dispostos em aterros sanitários ou reciclados, por não sofrerem alterações em sua composição, exemplo: sucatas de ferro, entulhos, aço.

É importante ficar atento à gestão dos resíduos de sua empresa, evitando qualquer tipo de multa por parte do órgão fiscalizador, seguindo todas as normas técnicas necessárias, bem como o cumprimento da legislação vigente. Lembre que você gerador é responsável até o destino final do seu resíduo, então esteja amparado de uma assessoria ambiental especializada.

Necessita de mais informações para a gestão de resíduos de sua empresa? Encaminhe suas dúvidas para o e-mail  cieloambiental@gmail.com

 

Leia Também Qual o caminho a seguir? Tributação de lucros e dividendos ainda é dúvida Coleta da Solidariedade Aventura e romance