Audiência Pública tratou do IPTU em Passo Fundo

Compartilhe

Um Projeto de Lei Complementar (PLC), de autoria do Poder Executivo Municipal, propõe a alteração de dispositivos e da Planta Genérica de Valores (PGV). Esta atualização pretende corrigir distorções no valor venal dos terrenos situados em Passo Fundo e, por consequência, modificar a contribuição do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). O assunto foi tema de uma Audiência Pública, convocada pelos vereadores, no início da noite desta segunda-feira (8), no Plenário Sete de Agosto.

O presidente da Câmara de Vereadores, Fernando Rigon (PSDB), abriu a sessão e falou sobre a importância do Legislativo proporcionar esta oportunidade para que a comunidade conheça os detalhes do projeto. Os trabalhos da audiência foram conduzidos pelo presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Patric Cavalcanti (DEM). O Executivo foi representado pelos titulares das secretarias de finanças, de planejamento e da procuradoria-geral.

O procurador-geral, Adolfo Freitas, defendeu a alteração em função de uma necessidade do município de aumentar a receita. O projeto, segundo ele, também atende a um apontamento do Tribunal de Contas, pois os valores não são atualizados há 25 anos. Já a secretária de planejamento, Ana Paula Wickert, explicou que o valor venal a ser alterado é apenas em relação aos terrenos, o que pesa 25% no valor calculado de IPTU. De acordo com a secretária, os valores dos imóveis, que são responsáveis por 75% do cálculo do imposto, não devem ser alterados.

Cerca de cento e cinquenta pessoas da comunidade compareceram à audiência, a maioria era de famílias que vivem atualmente em ocupações. Os representantes dos moradores questionaram se esse seria o momento para aumento de impostos devido à crise financeira. Os moradores também cobraram propostas para melhorar a habitação no município com a construção de casas populares. Também foi questionado se em áreas com problemas de perturbação do sossego, como na Avenida Independência, o valor aumentaria ou seria reduzido. Foi solicitado ainda que fossem revistas algumas isenções.

Entenda os detalhes do projeto:

O que é o Valor Venal de um imóvel?

Ele é uma estimativa que o Poder Público faz sobre o preço de determinados bens como terrenos e prédios, é o valor comercial do imóvel. Para isso, são levados em conta critérios determinados por lei como a sua utilização (comercial ou residencial, por exemplo), a localização na Planta Genérica de Valores, a área construída e o tipo de construção, entre outros. Mas o município não pretende igualar o valor venal dos terrenos ao de mercado.

 

O que é a Planta Genérica de Valores (PGV)?

Trata-se de um mapa que subdivide as áreas urbanas em zonas de valor. Para cada uma dessas zonas é atribuído um único valor venal por metro quadrado para todos os imóveis que pertencem àquela região. Nos carnês do IPTU é possível conferir o código da zona de valor a que pertence o seu imóvel.

 

Por que alterará o valor do IPTU?

O Valor Venal do imóvel tem como finalidade principal servir de base para o cálculo de certos impostos, como o IPTU.  O imposto é calculado pela multiplicação do Valor Venal do imóvel pela alíquota definida em lei. Caso este valor aumente, o valor cobrado do imposto também aumentará.

 

Quais são as Alíquotas?

3% - Para terrenos baldios, em vias não pavimentadas e em vias pavimentadas, se o imóvel possuir muro e muro e passeio público.

4,5% - Baldio, em vias pavimentadas, se o imóvel não possuir muro e passeio público.

1% - Para proprietários de único imóvel baldio situado em via não pavimentada se o imóvel possuir área territorial inferior a 720 m².

0,6% - Para imóveis prediais em qualquer localização.

Como seria o reajuste?

Segundo a prefeitura, cerca de 70% dos terrenos estariam hoje avaliados por menos de 40% do valor de mercado. A proposta do Executivo é de que até a próxima revisão da planta de valores, apenas estes mais defasados sejam reajustados até atingir 40% do valor de mercado. Uma parte do reajuste ocorreria no 1º ano e o restante no 2º ano. Quanto às economias cuja avaliação atual esteja entre 40% e 100% do valor de mercado, a proposta é de que não sejam alteradas. Caso o valor venal (2019) do terreno esteja maior do que o de mercado, apurado na nova avaliação dos terrenos, este deve ser reduzido.  

 

A atualização é obrigatória?

A última revisão da Planta Genérica de Valores (PGV) de Passo Fundo foi realizada em 1994. Como os valores estão desatualizados, o município deixa de arrecadar impostos e o gestor pode ser responsabilizado pelo Tribunal de Contas por não fazer esta cobrança, desobedecendo a Lei de Responsabilidade Fiscal. A legislação determina aos entes públicos explorar com eficiência o seu potencial tributário, com intuito de garantir a capacidade de investimento dos municípios. Vale salientar que a omissão do Chefe do Poder Executivo em atualizar Planta Genérica de Valores pode ser interpretada como renúncia de receita.

 

Outras adequações serão discutidas?

Sim, como a criação de uma alíquota maior para os casos de imóveis construídos e situados em via pavimentada que não possuírem muro regular e passeio público, cuja alíquota seria cobrada a contar de 1º de janeiro de 2021. Também vai ser discutido o aumento no critério do valor venal passando de 8.000 UFM's para 16.000 UFM's para a isenção dos proprietários de único imóvel. Devem ser ainda estabelecidos critérios de valor venal e renda para a isenção nos casos de viúvos e maiores de 70 anos de idade e definidas quais são as pessoas deficientes que possuirão isenção e a forma de comprovação da deficiência.

Leia Também Deputado Mateus Wesp realiza palestra sobre os 100 dias da gestão do PSDB Bolsonaro diz que Câmara votará porte de arma para produtor rural CTG União Campeira é homenageado em grande expediente do vereador Renato Tiecher PT inaugurou sede no Bairro Boqueirão