Bife de língua

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

Os padres das paróquias atendem as comunidades do interior, chamadas capelas, ao menos uma vez por mês. Quando ali chegam, aproveitam para deixar em dia todos os assuntos de antemão agendados e outros imprevistos. Torna-se, não raras vezes, um quebra-galho na hora, precisando ouvir desabafos desta ou daquela pessoa. As diretorias têm suas queixas, o pessoal do salão ainda não conseguiu acalmar as últimas brigas havidas, a escola tem suas reivindicações, enfim, há necessidade de muita paciência para se resolver tudo.

Certa feita cheguei bem antes da hora da missa a uma capela do interior, para resolver problemas. Encontrei um homem escorado num plátano de boa sombra. Estranhei, porque essa pessoa chegava sempre à hora certa e, hoje estava ali, bem antes e com um ar esquisito.

- Boa tarde!

- Boa tarde! - respondeu num tom baixo, como se não tivesse ouvido bem.

- Como está o senhor?

- Mais ou menos! - continuou no mesmo tom tristonho.

Seguiu-se longa conversa, enquanto ali não havia ainda ninguém. No final da história, o indivíduo saiu-se com esta reflexão:

- Vida inteira eu tinha medo de cobra, e não é que eu fui casar com uma jararaca!

Acontece que ele tinha apanhado da mulher. Ela se exaltou demais, pois o tinha aguentado, de maneira calada, durante uns vinte anos.

Após a missa, tendo falado com os dois em particular e depois com os dois juntos, houve mais um desentendimento: agora brigavam, porque um acusava o outro de sempre começar a briga. Notou-se que ambos tinham uma língua comprida. Fazendo-se três bifes de cada uma, ainda sobrava bastante carne.

Somos todos convidados ao diálogo. É um exercício difícil, pois, exige muita escuta, humildade e atenção ao ponto de vista da outra pessoa. Todavia, compensa porque pode evitar posteriores dores de cabeça. A agressão física deixa marcas quase sempre irreparáveis entre as pessoas, que não vão mais reconciliar-se.

 

Leia Também Viver em comunidade 1º Volks Passo Fundo Shopping Cultura africana! Traído pela mentira