Qual o caminho a seguir?

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

As famílias de hoje são todas de poucos filhos, diferente de outras épocas, em que as famílias numerosas contribuíam com facilidade, com vocações para a vida religiosa ou sacerdotal.

Em certa ocasião, visitei uma família com três filhos homens. Eram alegres, de boa saúde e de fácil conversa.

Ao falar sobre os planos que o mais velho tinha, de ingressar no seminário, o pai, certamente instruído por um gaiato de prontidão, logo atalhou:

- Pois é! Já me disseram que deixe um “ir a padre”, outro a advogado e outro para ladrão.

Diante do meu espanto, pedi que explicasse melhor, pois os meninos riam sem parar. Explicou, pois, assim:

- O ladrão rouba, o advogado defende e o padre perdoa.

- Mas isso não vai tornar feliz a família – observei-lhe prontamente.

- O senhor tem outra sugestão? – acrescentou.

- Tenho sim! Se o senhor vai decidir a vida deles, sugiro que deixe um para a família, outro para o governo e outro para a Igreja. Então vai contentar a todos.

Não sei ao certo o final da história. Estão na idade de constituir família. Parece que cada um vai fazer sua vidinha particular, sem maior contribuição social.                                                                                                                                                   

A vocação é um chamado de Deus para servir aos outros. Hoje na sociedade, nas famílias, nas escolas e comunidades, incentivam-se as profissões rendosas. O número de inscritos para o vestibular de certas disciplinas, não revela vocação, mas desejo de se conseguir profissão lucrativa. Qual a sua reação, quando um(a) jovem decide seguir o caminho da vocação sacerdotal ou religiosa?

Leia Também A periferia como lugar de atenção da Igreja Católica de Passo Fundo Orgulho Gaúcho O que é um Seminário? Municípios receberão R$ 44 milhões para salas de vacinação