A vingança das pombas

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

Depois de um dia inteiro de palestras numa escola, tanto na parte da manhã como da tarde, nada melhor, para nós palestrantes vindos de fora, do que sentar-se tranquilamente antes do jantar, para depois continuar a tarefa nos quatro períodos da noite.

- A janta está pronta! – faz-se ouvir uma voz de comando da cozinha da casa paroquial.

Sentamo-nos todos à mesa, como operários merecedores de seu salário. Após os elogios ao bom tempero do “prato de pombas”, preparado com muito carinho pela doméstica, saboreávamos a última refeição do dia. Voltaríamos à casa paroquial, após as palestras com os alunos do ensino médio, para o descanso noturno.

- Não sei se vêm muitos alunos, porque está começando a chover – observa o pároco, voltando da janela, onde fora observar as condições do tempo.

Os relâmpagos riscavam a escuridão da noite e os trovões assustadores sacudiam a casa. E a chuva começava acompanhada de ventos fortes.

- Deve ter uma telha quebrada, porque está caindo água na minha cabeça! - observa rapidamente alguém, enquanto os outros se levantam das cadeiras, segurando o prato na mão.

No começo todos se protegeram num canto da sala. Aos poucos, um se encontrava pelo corredor, outro na cozinha, enquanto o pároco empunha um guarda-chuva.

- Segure aqui, que vou achar outro! – É o vigário que vai providenciar mais guarda-chuvas, enquanto a chuva continuava forte e os trovões não cessavam. Faltou a luz.

- Alcance o isqueiro, lá do fogão! - grita o cura à doméstica.

E retorna com uma vela acesa, debaixo do guarda-chuva, não sabendo onde colocá-la.

- Deixe que eu seguro! - diz um.

- Alcance uma vela aqui! - diz outro, enquanto a água cai forte por toda a casa.

Depois de alguns intermináveis minutos, a luz retornou e encontrou a todos nessa tétrica situação, parecendo um velório improvisado.

Para a felicidade geral, depois de algum tempo, a chuva cessou. A fome também já tinha passado. Restava agora reorganizar-se para as palestras na escola.

Diante do imprevisto, ninguém mais se lembrava dos cartazes, do álbum seriado, dos impressos e das pastas na mesa da sala ao lado. Tudo estava boiando, ou em cima da mesa, ou nas águas do assoalho. O estrago foi geral.

- Mas nunca choveu dentro desta casa! - continua estranhando o pároco. - Foi a primeira vez! Vou descobrir a causa!

Depois das despedidas, todos viajaram às suas casas, diante da impossibilidade de se continuar ali.

Na visita seguinte à localidade, o fenômeno anormal já tinha explicação na boca do povo: o padre eliminara, a tiros de espingarda, as dezenas de pombas que habitavam no forro de sua casa. Na época a caça era permitida. As telhas foram atingidas, causando um enorme estrago, que não fora percebido antes. E as pombas se vingaram na “janta especial” daquela noite.

Só se provam os fundamentos de uma casa (vida), nos momentos de tempestades (problemas, doenças, desentendimentos...). Igualmente diz o ditado “quem tem telhado de vidro, não atire pedra na casa do vizinho”. Um dia a verdade será “proclamada de cima dos tetos”.

Leia Também Escatologia Um defeito de cor! Sujeito descansado Meio ambiente: cuidados por ética ou por etiqueta?