Manifestação contra medidas do governo Bolsonaro se estendeu até a noite de quarta-feira

Compartilhe
A reportagem da Rádio Planalto News FM 92.1 acompanhou os protestos.

Os professores realizaram uma manifestação nessa quarta-feira, 15, dentro da chamada Greve Nacional da Educação. A mobilização também protesta contra a proposta de Reforma da Previdência.

Segundo a direção do CMP Sindicato, dentre as pautas do movimento,os trabalhadores da educação destacam os sucessivos cortes nas políticas educacionais (ensino superior e educação básica) e a ameaça de acabar com a vinculação constitucional que assegura recursos para a educação (Fundeb e outras políticas).

Conforme nota da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação a pauta de reivindicações também inclui o fim do patrulhamento ideológico nas universidades, da ofensiva Lei da Mordaça e de uma série de políticas que impõem retrocessos civilizatórios. O Sindicato dos Professores Municipais de Passo Fundo convocou os docentes da rede municipal a participarem deste dia nacional de mobilização. De acordo com o dirigente da entidade Tiago Machado a Reforma Previdenciária pune duplamente a categoria do magistério.

“Na medida em que aumenta substancialmente o tempo de serviço a reforma, da forma que está, diminui de forma significativa o valor das aposentadorias. Soma-se a isso, os cortes da educação pública, que inviabilização a qualidade da prestação deste serviço. Neste sentido a categoria se mobilizou para demostrar seu descontentamento com tal situação,” explica o professor.

Em Passo Fundo, as atividades se estenderam até a noite, na Avenida Brasil.

Protestos pelo Brasil

As manifestações tomaram as ruas de mais de 200 cidades dos país, além do Distrito Federal. Durante a quarta-feira, universidades e escolas também fizeram paralisações após a convocação de entidades ligadas a sindicatos, movimentos sociais e estudantis e partidos políticos.

A mobilização nacional ocorreu em reação ao bloqueio, realizado pelo Ministério da Educação (MEC), em fim de abril, de parte do orçamento das 63 universidades e dos 38 institutos federais de ensino superior. De acordo com o governo, o contingenciamento envolveu gastos não obrigatórios, como água, luz, terceirizados, obras, equipamentos e realização de pesquisas, por exemplo.

Despesas obrigatórias, como assistência estudantil e pagamento de salários e aposentadorias, não foram afetadas, até o momento. No total, considerando todas as universidades, o corte é de R$ 1,7 bilhão, o que representa 24,84% dos gastos não obrigatórios (chamados de discricionários) e 3,43% do orçamento total das instituições.















(Fotos: Bruno Reinehr / Rádio Planalto News e Falcon Informática e Segurança VIP)

Leia Também Inscrições para especializações da UPF encerram nesta quarta-feira Trote Solidário da Anhanguera Passo Fundo faz doações para entidades assistenciais Alunos da Escola Zeferini Demétrio Costi integrados ao Projeto Brasil sem Frestas Publicado edital com regras de inscrição nas escolas municipais de Passo Fundo