O respeito à propriedade alheia

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

Conheci o amor que o falecido cônego Bento, reitor do seminário de Tapera, RS, tinha pelas plantações de seu seminário, especialmente em relação ao seu pomar. Este, de fato, era extenso e sempre carregado de muitas frutas, visando o sustento dos alunos internos.

Alguns vizinhos, muito inescrupulosos, de vez em quando faziam seu rancho de frutas, visitando o pomar do cônego Bento, em horário de pouca vigilância. Quando levavam para a alimentação da família, ele fechava um olho e resolvia plantar mais algumas fruteiras, para cobrir o risco a que sempre estava sujeito.

Certa vez, todavia, um conhecido espertalhão foi flagrado em plena avenida da cidade, vendendo frutas do seminário, em banca improvisada. Cônego Bento se aproximou, como possível comprador, interessado nas vistosas laranjas de umbigo, e foi logo perguntando:

- Quanto é a dúzia?

- Levando uma dúzia é tanto! – disse rápido o vendedor, afirmando serem boas e colhidas há pouco.

- Não podem ser tão caras, porque eu as vendi para você, lá no seminário, pela metade do preço! - atalhou o cônego, para surpreendê-lo numa armadilha.

- Mas eu sou do comércio! - completou imediatamente o esperto larápio.

Vivemos numa cultura onde o desleixo e a preguiça em trabalhar fazem parte da história de gerações inteiras. Afirma-se: “Plantando dá e não plantando dão”. E pode-se justificar tudo. Diz-se: deve-se respeitar a cultura dessa ou daquela pessoa, não tiveram a educação, não tiveram oportunidades, são de outra tradição e assim por diante. O que as pessoas entendem por trabalho? Qual o respeito pela propriedade alheia? Como se deve educar para a ética? 

Leia Também Escatologia Um defeito de cor! Sujeito descansado Meio ambiente: cuidados por ética ou por etiqueta?