Mentira desmascarada

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

Cônego Bento, como reitor de um seminário, sempre aceitava, gentilmente, ser chamado mesmo estando no serviço, para atender esta ou aquela pessoa. Ora eram visitas dos pais dos alunos, outras vezes compradores ou vendedores de mercadorias. Todos os dias o recado era este:

- Cônego Bento, tem gente que deseja falar com o senhor!

E lá se ia novamente até a portaria da casa, para o atendimento.

Mas uma pessoa que não desejava mais atender, pelas vezes em que foi enganado, era o vendedor de mel. Naquela época não havia associação de produtores como hoje, trabalhando com seriedade. Havia, sim, muitos vendedores e poucos produtores.

Cônego Bento não sabia mais como atendê-los bem e despedi-los rapidamente, até que descobriu um diálogo breve e de efeito fulminante.

- O senhor não quer comprar mel puro? - indagava o vendedor, convencido da qualidade de seu produto.

- O senhor tem mel puro? - retrucava prontamente cônego Bento.

- Sim, sem dúvida! – e mostrava duas abelhas por cima do mel.

- Mas o senhor tem certeza de que o mel é puro mesmo? - continuava insistindo, como se tivesse dúvida.

- Toda vida, cônego Bento, lhe garanto que é mel puro! - repetia o vendedor.

- Mas se o senhor tem toda certeza de que o mel é puro, então não posso comprar.

- Mas por que não? - repetia o vendedor. - É mel puro que tenho!

- Acontece, dizia cônego Bento, que eu não posso com o mel puro, me faz mal. Só posso aceitar aquele misturado, feito com limão e açúcar.

Percebendo a armadilha, o vendedor baixava a cabeça, recolhia a lata e saía de cabeça baixa, prometendo trazer, na próxima vez, o mel da recomendação médica. Testemunhas contam que encontraram vendedores de mel saindo com um sorriso nos lábios, ao reconhecer a cilada.

A pessoa que procura enganar, ao ser desmascarada, perde toda confiança. No engano, há uma arte diabólica que pretende ludibriar a boa-fé das pessoas honestas. Em nossa sociedade encontramos pessoas prontas para as fraudes e todo tipo de falcatruas. Todavia, um ambiente social, justo e agradável, se cria com pessoas formadas na prática da justiça e do amor.         

Leia Também Sínodo Empregador em foco: Gestão Empresarial e a diminuição de risco trabalhista. O Fusca do padre De quem aceitar críticas