Campanha de vacinação contra gripe será prorrogada, diz ministro

Compartilhe

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nessa segunda-feira (27) que a Campanha da Vacinação contra a Gripe, inicialmente prevista para se encerrar no próximo dia 31, será prorrogada. O ministro não informou por quanto tempo a campanha permanecerá ativa.

“Sempre prorroga [a campanha]. A gente prorroga porque não tem porque não prorrogar. A gente coloca uma meta no tempo para ver se as pessoas se conscientizam, se as secretarias [estaduais de Saúde] se conscientizam. Eu vou premiar as que fizeram o dever de casa. Essas sim. E vamos ajudar, vamos ver o que que se pode ajudar naquelas que não conseguiram”, disse após participar de um evento em Sorocaba (SP) na tarde desta segunda-feira.

A meta do Ministério da Saúde era vacinar 90% do público-alvo, composto por 59,4 milhões de pessoas, até o dia 31. No entanto, até esta segunda-feira, 42,5 milhões de pessoas haviam sido vacinadas. O número corresponde a 71,6% do público-alvo.

“Estados que tradicionalmente vacinam bem, a frente fria demorou muito para entrar. Rio Grande do Sul e Santa Catarina, que sempre foi um estado de excelentes campanhas, esse ano atrasou”, disse Mandetta.

Segundo ministro, a maioria dos estados deverá atingir com a vacinação, até o final da semana, 85% do público-alvo. Os estados com maior cobertura até o momento são: Amazonas (93,6%), Amapá (85,5%), Espírito Santo (75,3%), Alagoas (73,4%), Rondônia (72,6%) e Pernambuco (72,2%). Já os estados com menor cobertura são: Rio de Janeiro (45,8%) Acre (49,7%), São Paulo (57,0%), Roraima (57,4%) e Pará (59,2%).

O ministro lamentou que estados como o Rio de Janeiro, que têm problemas relacionados a disponibilização de Centros de Terapia Intensiva (CTI), estejam com a cobertura vacinal menor. “O que que ele [o estado do Rio] está plantando daqui a 60 dias? Muitas pessoas, provavelmente com pneumonia, muitas pessoas precisando de respirador para ter uma chance para viver, e um colapso do sistema de CTI”, disse. 

Entre a população prioritária, os funcionários do sistema prisional foram os que mais se vacinaram, com 101,6 mil doses recebidas, o que representa 89,7% deste público, seguido pelas puérperas (88,6%), indígenas (82,0%), idosos (80,6%) e professores (78,1%). Os grupos que menos se vacinaram foram os profissionais das forças de segurança e salvamento (30%), população privada de liberdade (47,2%), pessoas com comorbidades (63,4%), trabalhadores de saúde (69,9%), gestantes (68,8%) e crianças de 6 meses a 6 anos incompletos (67,6%).

Campanha da Vacinação em Passo Fundo

A vacina segue disponível em todas as 25 salas de vacina da rede municipal. A Central de Vacinas, como já anunciado, continua com atendimento restrito apenas para crianças, gestantes e puérperas. As demais unidades atendem todos os grupos.

Locais de vacinação
- Cais Boqueirão (rua Coronel Pitinga, 11)
- Cais Hípica (travessa Osvaldo Motta Fortes, 30)
- Cais Petrópolis (avenida Brasil, 1580)
- Cais São Cristóvão (rua Scarpelini Ghezzi, 55)
- Cais Luiza (rua Gervásio Annes, 303)
- Central De Vacinas (rua Uruguai, 667)
- Ambulatório de Especialidades (rua Comandante Kraemer, 12)
- Ambulatório São José (avenida Luiz De Camões, 217)
- UBS Adirbal Corralo (rua Uruguaiana, S/N)
- ESF Zachia (rua Argemiro Ferreira, 90)
- ESF Valinhos (rua Niterói, 150)
- ESF Adriana Lírio (rua Alferes Rodrigo, 90)
- ESF Nenê Graeff (rua Amilton Portes da Silva, 120)
- ESF Adolfo Groth (rua Coronel Bicaco 991)
- ESF Jerônimo Coelho (rua Alfredo do Amaral, 130)
- UBS Jardim América (rua Ernesto Bertoldo, S/N)
- ESF Caic (rua Dalila, 160)
- ESF Santa Marta / Donária (rua Palmares, 434)
- UBS Ivo Ferreira (rua Brigada Militar, 740)
- ESF Planaltina (rua Delmar Sitone, 385)
- ESF Mattos (rua Felipe Moliterno, S/N)
- ESF São Cristóvão (rua João Pessoa, 364)
- ESF Ricci (rua Camilo Ribeiro, 975)
- UBS Vila Nova / Santa Maria (rua Aspirante Jenner, S/N)
- Ambulatório São Luiz Gonzaga (rua Franscisco Formigheri, 335)

Quais são os grupos de risco?
- Crianças de seis meses a menores de seis anos (5 anos, 11 meses e 29 dias)
- Gestantes (em qualquer período gestacional)
- Puérperas (mulheres no período de até 45 dias após o parto)
- Trabalhadores da área de saúde
- Professores
- Povos indígenas
- Idosos (60 anos ou mais de idade)
- Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas
- População privada de liberdade e funcionários do sistema prisional
- Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais
- Policiais civis, militares, bombeiros e membros ativos das forças armadas

Quais as estatísticas de vacinação por grupo de risco?
Crianças de 6 meses a menores de 6 anos: 13.760 doses
Gestantes: 2.157 doses
Puérperas: 355 doses
Indígenas: 134 doses
Idosos: 22.222 doses
Comorbidades: 18.434 doses
Professores: 2.195

Vacinação em Casa
Em busca de qualificar o atendimento de saúde às pessoas que apresentam dificuldade de locomoção, especialmente os idosos, e precisam ser imunizadas contra o vírus da gripe, o Programa Vacinação em Casa também já iniciou.

O programa foi criado para levar a vacina contra o vírus da gripe até a residência de pessoas com 60 anos ou mais de idade, e que tenham dificuldades de locomoção, ou ainda, de pessoas mais jovens que se encontram nos grupos indicados para receber a vacina, mas não conseguem sair de casa por alguma enfermidade ou dificuldade de locomoção.

O atendimento domiciliar pode ser solicitado pelo telefone (54) 3046-0153. O serviço está disponível nos turnos da manhã e tarde.

Infos: Agência Brasil



Leia Também Erro médico faz mulher retirar os seios mesmo sem ter câncer Hospital de Clínicas comemora 105 anos neste sábado Hospital de Clínicas promove simpósio sobre a abordagem multiprofissional no tratamento do câncer de cabeça e pescoço Samu com nova sede no centro de Passo Fundo