PRF: motoristas ainda não estão preparados para uso da cadeirinha sem punições

Compartilhe
Foto: PRF / Divulgação   Foto: PRF / Divulgação 
Durante o programa Na Ordem do Dia desta segunda-feira (01), João Altair conversou com o policial rodoviário federal Lúcio Finkler Júnior e Rodrigo Callegari, chefe da 8ª Delegacia da Policia Rodoviária Federal, sobre assuntos da segurança pública que estão em evidência nos últimos dias. Dentre eles, novos bafômetros que estão sendo utilizados na região de Passo Fundo e projeto de lei que pretende eliminar multa para motorista com criança sem cadeirinha.

Novo bafômetro

O novo equipamento, na função passiva, já serve como uma triagem para o policial, indicando se o condutor abordado fez ou não uso de bebida alcoólica, antes mesmo de o motorista assoprar o etilômetro. Por sua vez, na função ativa, o aparelho se assemelha ao já utilizado normalmente, aferindo, através do sopro, a quantidade de álcool existente no organismo do motorista.

 “Nós acreditamos que num futuro breve, todos os equipamentos antigos serão trocados por esse novo, mais moderno e, com isso, a fiscalização vai facilitar principalmente o condutor que está andando certo, que será liberado mais rapidamente”, disse Lúcio.

Criança sem cadeirinha

O projeto de lei que altera o Código de Trânsito Brasileiro apresentado no início do mês de junho ao Congresso, pelo presidente Jair Bolsonaro, propõe eliminar multa para motoristas que transportarem crianças de forma irregular.

O texto diz que a violação do artigo 64, que dispõe dessas regras, "será punida apenas com advertência por escrito", mas ainda precisa ser aprovado por deputados e senadores para entrar em vigor.

“Nós não estamos preparados para isso ainda, até pode ser algo benéfico, mas se deixar sem ter uma sanção, penalidade, nosso povo ainda não cumpre’’, disse Callegari, a respeito do polêmico projeto de lei.

Lombadas eletrônicas

O funcionamento das lombadas instaladas na BR-285 no RS está suspenso e o DNIT realiza um estudo para averiguar onde há necessidade de utilização.

Para Callegari as que estão em trevos, no perímetro urbano, onde tem uma quantidade maior de acidentes, provavelmente serão reativadas.

“As lombadas eletrônicas fazem com que o condutor obedeça ao limite de velocidade naqueles locais e consequentemente, reduza os acidentes e, mesmo quando acidentes ocorrem com velocidade reduzida, as consequências são bem menores”, complementou.

Falta de efetivo

Em comparação com a falta de efetivo da Polícia Rodoviária Estadual na região, a situação da Federal não é diferente.

“Nós temos a situação da delegacia que é da unidade de Lagoa Vermelha, que não permanece às 24 horas do dia aberta. Nós temos vários dias que fecham em tempo integral por falta de efetivo mesmo e quando ocorre um acidente naquela região a equipe que desloca é de Passo Fundo”, informou Callegari.

Equipes da PRF percorrem até 170 km para atender acidentes.


Leia Também Estelionatário passo-fundense é preso tentando aplicar golpe de R$ 100 mil em Capão da Canoa BPChoque lamenta perda do Tenente Adalberto dos Santos Filho Mulher é amarrada por bandido e assaltada em casa no Bairro Cidade Nova Roubo a pedestre é registrado no Bairro São José