PF diz que presença de mulheres e crianças em fuga de criminosos era “inimaginável”

Compartilhe

A neblina e o uso de película nos vidros dos veículos prejudicaram a identificação dos criminosos que furaram uma barreira policial em Cristal, no Sul do Estado, às 23h30 desta terça-feira. Duas mulheres morreram na troca de tiros entre o bando e agentes da Polícia Federal. Uma criança foi baleada e ficou ferida gravemente. Uma das vítimas fatais era esposa do criminoso responsável pelo plano de fuga. Segundo o superintendente da Polícia Federal no Rio Grande do Sul, Alexandre Isbarrola, o suspeito usou familiares para empreender a fuga. “Isso serviu talvez para dar uma aparência de legalidade, de que era uma família em deslocamento”, afirmou.

O líder do comboio cumpria pena de prisão domiciliar e respondia por duas tentativas de homicídio e um caso consumado. O homem também foi baleado e está sob custódia da Polícia Federal.

A corporação monitorava o grupo desde 6 de julho. Os trabalhos de inteligência davam conta de que membros da quadrilha tentariam resgatar assaltantes que estariam escondidos desde o assalto a um banco de Dom Feliciano. O chefe da PF gaúcha ressaltou a violência dos criminosos. “Eles estão dispostos a tudo, a matar e a morrer”, avaliou Isbarrola.

O cerco policial prossegue atuando na região. Outros veículos faziam parte do comboio de fuga dos criminosos. A Polícia Federal não confirmou se ainda há membros da quadrilha soltos. Os investigadores apreenderam armas em um dos carros. As mulheres mortas foram identificadas como Aline Schmidt Pirola e Daniela Weinsmann.  O menino ferido em estado grave está internado no Hospital de Pronto Socorro, de Porto Alegre.

Créditos: Rádio Guaíba

Leia Também Mecânica pega fogo e destrói diversos veículos em Campinas do Sul Brigada Militar captura foragido após denúncia ser repassada ao telefone 190 Militares do 3º RPMon são habilitados para uso de carabina Gravíssimo acidente deixa vítima fatal no trecho Passo Fundo/Erechim