Projeto Igrejas Solidárias Brasil-Moçambique é destaque na Planalto News

Compartilhe

A Rádio Planalto News (92.1) recebeu a visita dos representantes do Projeto Igrejas Solidárias. O comunicador Luiz Carlos Carvalho conversou com a jornalista passo-fundense Victória Holzbach, que ficou por dois anos e nove meses em atividade missionária na África, e o moçambicanos Jorge Silani e José Paulo da Gama.

Foram destacados os 25 anos do Projeto Igrejas Solidárias Brasil - Moçambique. Victória esteve por dois anos e nove anos participando da missão naquele país.

Nos últimos dias, ela e os moçambicanos visitaram várias cidades da Arquidiocese de Passo Fundo, destacando a importância do Projeto, que chega ao seu final com encontro na Itepa Faculdades.

A turma da Pós-Graduação em Espiritualidade da Itepa Faculdades, juntamente com a Arquidiocese de Passo Fundo, promove um encontro para celebrar os 25 anos do Projeto Igrejas Solidárias. A  iniciativa integra o Regional Sul 3 da CNBB, com sede no Rio Grande do Sul , com Moçambique, na África. 

A atividade acontece a partir das 18 horas desta quinta-feira. 

A missionária Victória está retornando para nossa Arquidiocese de Passo Fundo após sua experiência missionária em Moçambique. Ela assim destacou uma mensagem sobre a experiência na África: "Esperei até o último momento procurando as palavras que poderiam melhor expressar o que sinto e vivo nesses dias.
Não penso em despedidas, mas no tempo que vai passar até ser possível rever tantos amores construídos e cultivados aqui.
Em 2 anos e 9 meses de missão, a alegria de ser cuidada e amada me fez encontrar um Deus repleto de cheiros, olhares, toques, sons e sabores.
Ganhei nova família, com pai, mãe, irmãs e irmãos. Ganhei amigas e amigos que sei que estão comigo pra sempre. Ganhei novo jeito de me vestir e expressar. Mudei meu português e ganhei pra vida a língua macua.
A missão passou longe de me tornar mais religiosa ou crente. Ressignificou minha vida e meus conceitos de felicidade, amor, necessidade, consumo, maternidade, amizade, família, cultura e tantos outros.

Quando recebi a capulana, em uma das celebrações de despedidas, ela me disse: "Essa capulana é símbolo do nosso amor por ti. Que ela te faça voltar."

Voltarei, não posso ficar tanto tempo sem a parte do meu coração que fica".


Leia Também Padres Franciscos deixam Paróquia de Não-Me-Toque Confira a programação da 68ª Romaria de Ibiaçá Cidade de Encantado desenvolve construção do maior Cristo da América Latina Paróquia da Catedral Nossa Senhora Aparecida completa 70 anos