Figuras pitorescas

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Nesses anos que Deus tem me permitido estar por aqui, muita coisa estranha tenho visto. E pessoas estranhas também.

Lembro do final dos anos 90 em que, do nada, começou a frequentar nosso estabelecimento uma figura para lá de esquisita. De fala mansa, voz baixa, acanhado e introspectivo, visivelmente havia ultrapassado os 60 anos. Chegava com seu velho fusquinha 1961, mesmo ano em que havia comprado as roupas que usava. Um diam metido em shorts curtíssimos e numa regata transparente, demonstrando um estranho constrangimento, pediu para levar algumas caixas vazias do mostruário e foi embora. Ganhou (internamente) o apelido de “seu caixinha”. Anos mais tarde descobri que ele vinha para ver nossa secretária, paixão platônica e avassaladora de 17 anos e grandes olhos azuis (minha irmã, por acaso).

Lembro também do “seu baratinha”. Chegava com seu SP2 (daí o apelido) e passava horas contando mentiras que nem mesmo ele acreditava. Tirava onda de gangster do interior ou algo do gênero. Um dia o vento bateu em uma janela que fechou com um estrondo em suas costas. Levou um susto enorme, pulou da cadeira e se jogou no chão, rastejando para trás de uma mesa gritando que era tiroteio. Nós todos ali, estáticos e atônitos enquanto ele gritava no chão, em posição fetal. Nunca mais voltou depois dessa.

Teve também o “intelectual”, que chegava empurrando uma Monark barra forte toda lascada e passava a tarde falando bobagens sobre tudo e qualquer coisa com ares de sabedoria e superioridade. Na verdade acho que ele vinha pelo café e bolachinhas, pois nunca comprou nada. Um dia, sem mais nem menos, nos deu uma aula sobre a interferência do meio ambiente na formação da fumaça do incenso... Então descobriu que eu tinha um fusca e, visivelmente transtornado, declarou que “fusca não era carro para empresários” e que por isso nossa “amizade” acabava ali. Alçou a perna na Monark e sumiu para nunca mais.

Em outra oportunidade vou contar sobre os amigos “pitorescos” que fiz no mundo aircooled.

Grande abraço!

Leia Também Matam a educação pública, aos poucos! A periferia como lugar de atenção da Igreja Católica de Passo Fundo Orgulho Gaúcho O que é um Seminário?