Em tempo de liberação do FGTS, a dica é fazer a melhor utilização do dinheiro

Compartilhe

A Caixa Econômica Federal publicou no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 8, a Circular 869 que estabelece os procedimentos e cronograma para saques no valor de até R$ 500,00 de cada conta ativa e inativa do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). 

A oportunidade de sacar uma parte do FGTS é uma opção dos trabalhadores. Porém, é importante ficar atento de que não será possível retirar o saldo total caso haja uma demissão sem justa causa, mas recebe a multa de 40% do fundo de garantia, já que esta regra não muda. 

Para trazer orientações sobre como utilizar o recurso da melhor forma, o professor Vanderlei Carbulin, coordenador do curso de Ciências Contábeis da Anhanguera de Passo Fundo esteve na Rádio Planalto News (92.1), concedendo entrevista para o comunicador Luiz Carlos Carvalho.

Segundo Carbulin,  o primeiro ponto é tomar cuidado para não usar em compras supérfluas e sem planejamento. A verba extra pode ser propícia para começar um projeto que já se tinha em mente, e que pode envolver investimento financeiro. Para colocá-lo em prática, é de extrema importância se planejar financeiramente, especialmente se o desejo é colocar as contas em dia. 

Lembra o professor que é importante se organizar. Após definir seu objetivo de como utilizar o recurso extra, é necessário ter um controle bem minucioso de todos os seus gastos e ganhos. Uma dica é elaborar uma planilha, onde você vai listar todos os seus custos fixos (aluguel, condomínio, mensalidade escolar, entre outros) e projetar o quanto vai gastar no mês com os custos variáveis, tais como: alimentação, passeios, cinema, shows. Defina um teto para estes gastos e tente não ultrapassar.

 

Quando se coloca os dados em uma planilha, com os valores de seu salário e a projeção das despesas no mês, você consegue visualizar seu panorama financeiro para aquele período e o impacto que terá ao final dele. Isto te ajudará a enxergar onde está gastando muito e onde deverá economizar. Crie também um controle de tudo aquilo que consumir, assim poderá fazer um comparativo entre o que você projetou e o que realmente gastou.

Lembrou o entrevistado que é importante reduzir os gastos supérfluos. Para tanto, é preciso analisar se determinado consumo realmente é necessário. Em tempos de crise, redução de custos é prioridade. Contudo, um planejamento financeiro não é feito apenas para se pagar contas. É preciso também se organizar para poupar e investir. Especialistas do setor financeiro indicam que pelo menos 10% de sua renda mensal deve ser destinada para investimentos, mas isto pode variar de acordo com a disponibilidade de cada pessoa. As opções para investir são muitas, entre elas: poupança, títulos de capitalização, consórcios, CDBs, entre outras diversas opções, destacou o coordenador do curso de Ciências Contábeis da Anhanguera.


ACOMPANHE A ENTREVISTA NO PROGRAMA THE TARDE, DA RÁDIO PLANALTO NEWS

Leia Também Desemprego fica estável no Brasil, mas aumenta no RS Receita Federal paga 6º lote de restituição do IR nesta segunda Aposta de Sananduva ganha sozinha R$ 2,4 milhões na Quina Dólar ultrapassa R$ 4,18, segundo maior valor desde criação do real