Deputados estaduais vêm a Passo Fundo nesta quinta para discutir cobrança extra de ICMS

Compartilhe

A Câmara de Vereadores de Passo Fundo recebe, nesta quinta-feira (29/08), a partir das 18h, uma audiência pública da Assembleia Legislativa sobre a cobrança extra de ICMS. De acordo com o proponente da iniciativa, deputado Giuseppe Riesgo, do Novo (foto), o objetivo é debater as novas regras da Substituição Tributária (ST), que estabelecem a obrigatoriedade da complementação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços.

"Por meio da substituição tributária, o governo tem a vantagem de antecipar a receita do ICMS, simplificar a fiscalização e combater a sonegação com maior eficiência. Obrigar o pagador de impostos a realizar a complementação do ICMS é uma decisão equivocada, que burocratiza o ambiente de negócios, afugenta novos investidores, provoca aumento generalizado de preços e inviabiliza especialmente os pequenos empresários", critica Riesgo.

Pelas novas regras, empresas de diversos segmentos passaram a ter que pagar uma diferença de ICMS quando vender um produto por um valor acima do preço de referência. De acordo com representantes da classe empresarial, a determinação atinge cerca de 70% dos produtos que circulam no RS. Autor do projeto de lei que extingue a cota extra de ICMS, Riesgo defende a revogação da medida e a suspensão da cobrança por parte do Governo do Estado.


Entenda as novas regras da substituição tributária

A substituição tributária (ST) é um mecanismo previsto na Constituição Federal e foi instituída com o objetivo de auxiliar os estados na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Inicialmente, a ST era aplicada apenas em setores como medicamentos, em que há um pequeno número de indústrias que produzem remédios e milhares de farmácias que revendem o produto final. Bebidas alcoólicas, cigarros e combustíveis também estão enquadrados neste modelo. Contudo, dada sua eficiência, a ferramenta se ampliou para diversos segmentos.

Neste sistema, a indústria repassa ao Estado de forma antecipada o ICMS sobre os produtos que serão vendidos futuramente no mercado, “substituindo” o responsável pelo recolhimento do imposto. Para este sistema funcionar, o valor final da venda precisa ser previamente estabelecido pelo governo, que utiliza diversos critérios para definir um preço de referência. O contribuinte, por sua vez, paga o ICMS de acordo com esta previsão. No entanto, por questões de mercado, um produto pode ser vendido ao consumidor final por um preço maior ou menor do que o estimado. Independentemente do valor da venda final, a alíquota do imposto vinha sendo paga com base no valor de referência presumido pelo governo.

Porém, uma nova decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em 2016, mudou o entendimento sobre o assunto. A Corte entendeu que se o valor da operação de venda do produto é inferior ao valor estimado, o contribuinte têm direito a receber a diferença de ICMS pago a maior. Ou seja, o Estado tem a obrigação de devolver o dinheiro do contribuinte que pagou mais imposto do que deveria. Alguns ministros, entretanto, aventaram a possibilidade de complementação do valor, caso o produto fosse vendido a um valor superior à base presumida.

Com isso, alguns Estados passaram a editar leis, prevendo a possibilidade de complementação do ICMS da substituição tributária. Foi o caso do Rio Grande do Sul, em 2017. Após a promulgação da Lei Estadual nº 15.056/2017, o Poder Executivo editou o Decreto nº 54.308/2018, que estabeleceu novas regras para o recolhimento do ICMS ST, obrigando os contribuintes a realizarem a complexa operação de ajuste.

Leia Também Vereadores pedem parceria do estado em prol da segurança pública Única senadora de Mato Grosso afirma que 'mulher não gosta de política' Vereadores aprovam criação do Programa Farmácia Solidária em Passo Fundo Alex Necker encaminha moção contra privatização dos Correios