A fábula do vestidinho azul

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

Quem de vocês já ouviu falar na fábula do “Vestidinho Azul?” Trata-se de um conto, uma ficção, que acaba nos transmitindo uma linda mensagem. Pequenas ações reproduzidas por nós em nosso dia a dia, muitas vezes, poderão ser transformadoras de conceitos e culturas. O interessante desta linda istória, está no fato transformador de uma pequena ação, que acaba contagiando pessoas, mudando hábitos e transformando vidas e ambientes. A mensagem do conto, busca incentivar pequenas ações positivas, que possam servir de inspiração para grandes transformações sociais.

Era uma vez, uma linda menina, que morava em uma comunidade muito carente da periferia, conhecida por suas casas e ruas muito mal cuidadas, com esgoto correndo a céu aberto, muito lixo no chão e animais abandonados nas ruas. O bairro era chamado de Bairro Tristeza e as pessoas tinham vergonha de dizer que moravam lá. Uma menina começou a estudar na escolinha do bairro e desde de os primeiros dias de aula, chamava atenção por sua aparência maltrapilha, cabelos embaraçados e sem tomar banho. Ela costumava andar de cabeça baixa, tinha um olhar triste e sentia vergonha de seus colegas de aula. Certo dia, uma das merendeiras da escola, que admirava a beleza daquela menina triste (como era conhecida), resolveu dar de presente a ela, um lindo vestido azul. A merendeira costumava costurar em seus horários de folga e durante muitos dias, ela se dedicou a fazer aquele lindo vestido azul, o qual ficou deslumbrante. A menina ao receber o presente, ficou encantada com o vestido. Ela nunca tinha visto e muito menos vestido nada igual. Agradeceu imensamente aquela gentil senhora dizendo: “Eu nunca tive nada igual a este vestido em toda a minha vida. Só vi vestidos como este em filmes e contos de fada...”

Ao chegar em casa com o vestido, ela chamou toda a família para mostrar o presente que havia ganhado. Seus pais ficaram encantados e felizes por verem a felicidade irradiante de sua filha com o presente. Antes de vestir o vestido em sua filha, os pais pediram-lhe para que ela tomasse um banho, cortaram e escovaram os seus cabelos, causaram-lhe o melhor sapato, fizeram maquiagem e passaram um delicioso perfume nela. A menina ficou linda, irreconhecível! Tão linda, que os pais cheios de orgulho, resolveram inclusive vestirem-se melhor também. Eles arrumaram a casa, o jardim e o pátio: plantaram flores, pintaram a casa e limparam o pátio, deixando a casa linda e admirável a todos. Os vizinhos, admirando o novo visual da casa, inspiraram-se e também embelezaram as suas casas. Ao verem a linda transformação do bairro, todos os moradores se uniram para cuidarem e embelezarem as áreas públicas, que também ficaram maravilhosas. Ao chegar na escola, no primeiro dia de aula em que ela foi com o vestido, a menina estava irradiante, feliz e com um sorriso no rosto contagiante. Foi recebida pelos professores e alunos como se fosse uma grande celebridade.

A partir daquele dia, todos os alunos começaram a ir para a escola, com suas melhores roupas. Todos muito asseados como se fossem ir para uma festa, ou para um grande evento. A menina que era chamada de “Menina Triste”, passou a ser chamada de “Menina Feliz”. O bairro que era motivo de vergonha aos moradores, hoje é motivo de orgulho para todos os que moram lá. Aquele pequeno gesto de uma humilde merendeira da escola, feito com todo o seu amor, carinho e despretensão, fez toda a diferença na vida daquela menina e de toda uma comunidade.     

“As grandes mudanças e transformações, começam por nossas pequenas atitudes individuais.”

Leia Também Sínodo Empregador em foco: Gestão Empresarial e a diminuição de risco trabalhista. O Fusca do padre De quem aceitar críticas