Única senadora de Mato Grosso afirma que 'mulher não gosta de política'

Compartilhe
Reprodução/Facebook   Reprodução/Facebook 

A senadora Selma Arruda (PSL), conhecida nacionalmente como "Moro de saia", revelou que a crise entre ela e o PSL, teve o seu ápice quando o senador e filho do presidente da República, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), gritou ao telefone com a juíza aposentada.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Selma se declarou contra "cotas para preto", contra a cota feminina nas eleições, "porque mulher não gosta de política" e contra a tipificação do crime de feminicídio. "Por que tem ter um crime específico de feminicídio? É um homicídio como qualquer outro".

Sobre o conflito no PSL, a senadora disse Flávio Bolsonaro a pressinou para retirar a assinatura do requerimento para a criação da CPI da Lava Toga. A revelação consta na entrevista divulgada nessa sexta-feira (13).

(Com informações, Gazeta Digital)

Confira a entrevista completa CLICANDO AQUI.

Leia Também Sete projetos aprovados em sessão da Câmara de Passo Fundo Alex homenageia servidores da Saúde pelo atendimento qualificado em CAIS Vereador Daneli pede apoio da população à lei de doação de material de construção Collor é alvo de investigação da PF sobre lavagem de dinheiro