Mantido veto parcial ao PL de conservação e limpeza de edificações não habitadas

Compartilhe

Foi apreciado nessa segunda-feira (7) o veto parcial do Executivo a um artigo do Projeto de Lei (PL) que trata da conservação e limpeza de edificações não habitadas, na Sessão Plenária da Câmara Municipal de Vereadores. O PL, aprovado em agosto deste ano, regulamenta a fiscalização e a aplicação de penalidades aos infratores a serem realizadas pelos órgãos competentes do Município.

O projeto, de autoria do vereador Patric Cavalcanti (DEM) em conjunto com Rafael Colussi (DEM) e Rudimar dos Santos (PCdoB), determina que o Executivo possa fiscalizar e punir os proprietários ou possuidores de edificações não habitadas ou não concluídas, que não recebem a devida manutenção, causando problemas aos vizinhos. Uma vez identificado o abandono ou descaso com o imóvel, o proprietário terá até 90 dias para regularizar o cadastro e os acessos ao local para limpeza e conservação.

A iniciativa prevê a aplicação de multas aos responsáveis ou proprietários dos terrenos com valores proporcionais ao tamanho das edificações, variando de R$ 711 a R$ 5.330. Segundo Patric, os dados da Secretaria de Planejamento apontam mais de 14 mil terrenos baldios em Passo Fundo.

O PL sofreu um veto ao artigo sexto que previa, em caso de as irregularidades não serem sanadas, um prazo de 60 dias para executar a demolição da edificação não habitada. A justificativa do Poder Executivo para este veto é em função de que o artigo contraria a Lei Federal e a Lei Orgânica Municipal.

O veto foi mantido por decisão unânime dos 21 vereadores presentes. De acordo com Patric, “este veto não compromete em nada a essência do projeto que tem o objetivo de contribuir para a saúde e a segurança já que estes imóveis acabam sendo usados por marginais e usuários de drogas, além de se tornarem verdadeiros lixões, contribuindo para a proliferação de insetos, roedores e animais peçonhentos”, observou.

O Líder do Governo na Câmara, vereador Ronaldo Rosa (SD), reforçou a necessidade de cumprimento das normas previstas na Constituição Federal para estas situações, como justificativa do acatamento ao veto parcial.

A Lei nº 5.444/2019, com o veto parcial, foi promulgada pelo prefeito Luciano Azevedo no último mês de setembro.

Foto: Comunicação Social/Câmara Municipal

Leia Também Confederação dos Municípios e Famurs pedem cancelamento das eleições de 2020 Comissão Especial do Legislativo acompanhará aplicação dos recursos das emendas impositivas Regina Duarte deixa Secretaria Especial de Cultura Aprovado projeto do deputado Giovani Cherini para reduzir desperdício de alimentos em mercados e restaurantes