Caso Marielle: porteiro mentiu sobre ida de suspeito a casa de Bolsonaro

Compartilhe
A procuradora do Ministério Público Simone Sibilio, chefe do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (GAECO), confirmou que o porteiro que envolveu o nome do presidente Jair Bolsonaro na morte da vereadora Marielle Franco mentiu em depoimento à Polícia Civil. De acordo com Simone, quem autorizou a entrada de Élcio de Queiroz no condomínio do presidente é Ronnie Lessa, suspeito de ter feito os disparos.

Mais cedo, um investigador relatou a suspeita da mentira à VEJA. Foram prestados dois depoimentos. No primeiro, relatou que ligou para casa de Bolsonaro. No segundo, confrontado com o áudio de sua conversa, manteve a versão, mas deixou dúvidas nas investigações em relação a veracidade das informações prestadas.

*Revista Veja

Leia Também Vereadores aprovam proposta sobre mudanças em Secretaria de Administração Governador Eduardo Leite pede retirada de projeto da Reforma Tributária da Assembleia Legislativa Bolsonaro discursa na 75ª Assembleia Geral da ONU Vereadores aprovam criação do Bairro Alviverde em Passo Fundo