Desemprego fica estável no Brasil, mas aumenta no RS

Compartilhe
Marcello Casal/Arquivo/Agência Brasil   Marcello Casal/Arquivo/Agência Brasil 

Cerca de 3,2 milhões de pessoas estão à procura de emprego há dois anos ou mais no Brasil. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), isso representa 25,2% dos 12,5 milhões de desocupados do país.

Ainda segundo o IBGE, cerca de 1,8 milhão, ou 7,1% dos desocupados, estavam há menos de um mês procurando emprego. A taxa de desemprego no país no terceiro trimestre deste ano, divulgada no fim de outubro, ficou em 11,8%, abaixo dos 12% registrados no segundo trimestre.

A Pnad-Contínua divulgada hoje trouxe ainda dados sobre taxa de desemprego dos estados. O estado de São Paulo foi o único a apresentar queda na taxa de desemprego do segundo para o terceiro trimestre deste ano. A taxa recuou de 12,8% para 12% no período em São Paulo.

Segundo a pesquisadora da IBGE, Adriana Beringuy, a queda ocorreu devido à redução do número de desempregados e não em função do aumento da ocupação.

Já Rondônia foi o único estado com alta na taxa de desemprego, ao passar de 6,7% para 8,2%. As outras 25 unidades da federação tiveram estabilidade na taxa, de acordo com os dados do IBGE.

As maiores taxas foram observadas nos estados da Bahia (16,8%), Amapá (16,7%) e Pernambuco (15,8%). Já os menores níveis foram registrados em Santa Catarina (5,8%), Mato Grosso do Sul (7,5%) e Mato Grosso (8%).

No Rio Grande do Sul, 8,8% da população está sem emprego. A taxa representa aumento em relação ao trimestre imediatamente anterior, quando 8,2% dos gaúchos procuravam trabalho.

*Agência Brasil

Leia Também Caixa começa a pagar hoje décimo terceiro do Bolsa Família Mulheres estudam mais no Brasil, mas têm renda 41,5% menor que homens, diz ONU Receita abre consulta ao 7º lote de restituição do Imposto de Renda Bolsa Família deve ser turbinado e incluir jovens e crianças