Nas urnas, nova sigla de Bolsonaro vai usar número 38

Compartilhe
(Foto: Reprodução)   (Foto: Reprodução) 

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nessa quinta-feira (21) que o número do partido que pretende criar, o Aliança pelo Brasil, nas urnas, vai ser o 38. O anúncio ocorreu durante a live semanal transmitida no Facebook. Pela manhã, o presidente participou da 1ª Convenção Nacional da legenda, realizada em um hotel de Brasília.

Bolsonaro também admitiu que, caso o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não autorize a coleta de assinaturas por meio eletrônico, o partido não deve estar homologado para disputar as eleições do ano que vem.

“Por ocasião das eleições do ano que vem, acredito que nós podemos ter o partido funcionando, desde que as assinaturas sejam de forma eletrônica. Caso contrário, nós só poderemos estar em condições de disputar as eleições, aquelas de 2022”, disse. “E o número escolhido é o 38. Tínhamos poucas opções e acho que o número 38 é mais fácil de gravar”, acrescentou.

Para a legenda Aliança pelo Brasil ser homologada e poder disputar as eleições, é necessária a coleta de cerca de 500 mil assinaturas em pelo menos nove estados do país. As rubricas devem ser validadas, uma a uma, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O prazo para que o partido seja registrado a tempo de disputar as eleições municipais de 2020 termina em março.

O TSE analisa o assunto no âmbito de um consulta pública em andamento na Corte, apresentada pelo deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) no fim do ano passado.

Partido conservador

Durante a live, Bolsonaro também destacou as principais características da nova legenda partidária. “Um partido conservador, que respeita todas as religiões, dá crédito aos valores familiares, defende a legítima defesa, defende a posse e o porte de arma com requisitos, o livre comércio com todo mundo, sem o viés ideológico”, disse.

Na semana passada, Bolsonaro anunciou a saída do PSL, partido pelo qual se elegeu. A desfiliação ocorreu na terça passada. O grupo político mais próximo ao presidente, além dele próprio, vinha se desentendendo, nos últimos meses, com o fundador e presidente nacional da legenda, o deputado federal Luciano Bivar (PE).

Segunda maior bancada parlamentar na Câmara dos Deputados, o PSL conta com 53 deputados, quatro deles do Rio Grande do Sul. No Senado, a legenda elegeu três integrantes.

*Agência Brasil

Leia Também Presidente do CPERS homenageada com medalha na Assembleia Legislativa TSE aprova normas para eleição municipal de 2020 Pacote permitirá pagar servidores gaúchos em dia, diz governador Fragomeni Imóveis recebe homenagem na Câmara de Vereadores pelos 30 anos de atuação em Passo Fundo