Passo Fundo gera 144 mil kg por dia de resíduos de construção e demolição

Compartilhe

A construção civil é um dos ramos industriais que mais consomem recursos naturais para atender as demandas de infraestrutura, moradia e conforto que a sociedade necessita. Portanto, em muitas cidades brasileiras de médio e grande porte, cerca de 50% dos resíduos são originados nas atividades da construção e demolição. Considerando que Passo Fundo possui mais de 180.000 habitantes e que a geração média de uma pessoa é de 0,8 kg/dia, a geração da cidade chega a 144.000 kg por dia.

Atualmente no Brasil, as técnicas construtivas utilizam procedimentos com baixa eficiência construtiva, além de não proporcionar o conforto básico e a durabilidade aos usuários. Enquanto em outros países do mundo a tecnologia é poderosa aliada em construções com elevado nível de conforto e durabilidade, no Brasil, 98% das obras ainda utilizam métodos tradicionais por uma questão cultural e por falta de informação.

Os usos de matérias-primas de fontes alternativas podem reduzir a pressão na extração dos recursos naturais, e isso tem sido uma busca incessante na área da engenharia. Por exemplo, as primeiras tentativas de reciclagem de entulho tiveram início após a Segunda Guerra Mundial, nos países da Europa. Em função da escassez financeira e de matérias-primas, alguns países optaram por reutilizar o entulho na reconstrução de suas cidades. A análise é o do professor Rodrigo de Almeida Silva, do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Engenharia Civil da IMED.   “Atualmente muitos resíduos industriais têm sido avaliados como materiais de construção em substituição aos materiais naturais, contudo não em sintonia com as determinações dos órgãos ambientais. Como resultados tem se desenvolvido trabalhos que somente atendem aos fins acadêmicos, sem impacto sobre o reaproveitamento em grande escala dos materiais industriais, como exemplo uma cidade que produzi 1.000m³ de água por hora, produz cerca de 130 toneladas de lodo seco por ano e que atualmente tem destino incerto, e que poderiam ser utilizados para a produção de materiais construtivos” comenta o professor.



Foto Ilustrativa

Leia Também Usuários reclamam da falta de proteção em paradas da Operária e União Avenida Brasil em contrafluxo no sentido Petrópolis/Centro a partir da ponte do Rio Passo Fundo Planalto nos Bairros ouve reivindicações do Loteamento Professor Schisler Acisa Passo Fundo comemora 99 anos de fundação neste sábado