Passo Fundo tem mais mortes por AIDS do que a média nacional

Compartilhe

O índice de mortalidade por Aids em Passo Fundo desperta a atenção na Secretaria Municipal da Saúde.

O  Serviço de Atendimento Especializado aos portadores de HIV atende 1.200 pacientes, registra 100 casos novos a cada ano na cidade e a mortalidade é maior que as médias estadual e nacional, explicou a coordenadora do SAE, Seila de Abreu, na programação da Planalto News FM 92.1.

No município de Passo Fundo, os números são alarmantes: 1.200 pacientes em tratamento, sendo que o coeficiente de mortalidade corresponde a 9,5% para cada 100 mil habitantes ao ano. Ainda, até 2017 a média entre homens e mulheres era semelhante, no entanto, em 2018 o sexo masculino se destacou com 80% dos casos – desses, 60% são homossexuais e bissexuais na faixa etária de 18 a 24 anos.

Há um outro fator preocupante. No Brasil, em 2018, a sífilis foi externada como um grave problema de saúde pública. O Rio Grande do Sul tem a segunda taxa mais elevada de detecção de sífilis adquirida, sendo a taxa nacional de 58 casos por 100 mil habitantes e a estadual de 116,2 por 100 mil habitantes. Passo Fundo apresentou em 2018 um total de 614 casos notificados de sífilis na população geral e 171 casos em gestantes.

O SAE Passo Fundo fica na rua Silva Jardim, 714 – Centro. O telefone para contato é (54) 3311-7236. 

Ouça:
  • Seila de Abreu | Aids em Passo Fundo

Leia Também Exército ajuda a distribuir anestésicos para UTIs de 59 hospitais no RS SindiSaúde promove mobilização no 'Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e dos Empregos' em Passo Fundo Simers comemora o aniversário de Passo Fundo de forma diferenciada Hospital São Vicente recebe doação de testes rápidos do Lions Clubs