Bolsa Família deve ser turbinado e incluir jovens e crianças

Compartilhe
Foto: Agência Senado/ Divulgação   Foto: Agência Senado/ Divulgação 
O governo acerta os últimos detalhes de uma reforma para turbinar o Bolsa Família, o mais importante programa social do País voltado para a população de baixa renda. A pedido da Casa Civil, o Ministério da Cidadania propôs a reformulação daquela que foi a principal bandeira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para imprimir a marca do governo Bolsonaro, pode até mudar de nome e se chamar "Renda Brasil". O que já está definido é que será ampliado para atender a jovens de até 21 anos e conceder valores maiores aos beneficiários.
A proposta está em análise na equipe econômica para definição do volume de recursos adicionais ao programa. O plano original da ala política do governo era aumentar em R$ 16,5 bilhões os recursos para o programa - que tem um orçamento previsto para 2020 de R$ 29,5 bilhões. São R$ 14,1 bilhões adicionais ao que já é gasto anualmente e mais R$ 2,4 bilhões para bancar, no ano que vem, o pagamento do 13.º salário. Segundo apurou o Estado, a área econômica já avisou que pode garantir, por enquanto, "no máximo" R$ 4 bilhões adicionais.

A ideia é dividir o programa em três:

  • benefício cidadania, dado às famílias de baixa renda;
  • benefício primeira infância, para crianças de até 3 anos e
  • benefício a crianças e jovens, contemplando jovens de até 21 anos.

Além disso, a ideia é criar um extra para valorizar a "meritocracia": seria um prêmio para crianças que tivessem sucesso em olimpíada de conhecimento, passassem de ano e se destacassem no esporte.

*Portal Terra / Estadão Conteúdo

Leia Também Governo anuncia demissão do presidente do INSS Como o aumento do preço das carnes impacta no cotidiano do brasileiro? Pagamento de aposentado com reajuste começa nesta segunda País criou 644 mil novas vagas de trabalho em 2019, maior resultado em 6 anos