Bolsa Família deve ser turbinado e incluir jovens e crianças

Compartilhe
Foto: Agência Senado/ Divulgação   Foto: Agência Senado/ Divulgação 
O governo acerta os últimos detalhes de uma reforma para turbinar o Bolsa Família, o mais importante programa social do País voltado para a população de baixa renda. A pedido da Casa Civil, o Ministério da Cidadania propôs a reformulação daquela que foi a principal bandeira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para imprimir a marca do governo Bolsonaro, pode até mudar de nome e se chamar "Renda Brasil". O que já está definido é que será ampliado para atender a jovens de até 21 anos e conceder valores maiores aos beneficiários.
A proposta está em análise na equipe econômica para definição do volume de recursos adicionais ao programa. O plano original da ala política do governo era aumentar em R$ 16,5 bilhões os recursos para o programa - que tem um orçamento previsto para 2020 de R$ 29,5 bilhões. São R$ 14,1 bilhões adicionais ao que já é gasto anualmente e mais R$ 2,4 bilhões para bancar, no ano que vem, o pagamento do 13.º salário. Segundo apurou o Estado, a área econômica já avisou que pode garantir, por enquanto, "no máximo" R$ 4 bilhões adicionais.

A ideia é dividir o programa em três:

  • benefício cidadania, dado às famílias de baixa renda;
  • benefício primeira infância, para crianças de até 3 anos e
  • benefício a crianças e jovens, contemplando jovens de até 21 anos.

Além disso, a ideia é criar um extra para valorizar a "meritocracia": seria um prêmio para crianças que tivessem sucesso em olimpíada de conhecimento, passassem de ano e se destacassem no esporte.

*Portal Terra / Estadão Conteúdo

Leia Também Caixa abre agência neste sábado em Passo Fundo Caixa paga auxílio emergencial para 3,9 milhões de nascidos em junho Sicredi inicia pré-cadastro dos associados para adesão ao Pix Especialista em Economia Agrária avalia razões da elevação do preço do arroz