HSVP: Emergência atinge sua capacidade máxima

Compartilhe

A Direção Técnica Médica do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo comunicou que o setor de emergência está fechado para consultas, devido à superlotação da unidade. Por medida de segurança dos pacientes e da boa prática médica, a Direção Técnica e os médicos plantonistas da emergência suspendem o atendimento de consultas neste setor, por prazo indeterminado. 

Enfatiza-se que permanecerá o atendimento para os casos de urgências e emergências médicas, como acidentes de trânsito, infartos, politraumas, acidente vascular cerebral.

Quando devo procurar a Emergência?

A Emergência e Urgência do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, é referência para atendimentos de alta complexidade. Com equipe técnica e tecnológica preparada para atender com eficiência e rapidez casos de urgência e de emergência. Em 2018, foram realizados 66.145 atendimentos.

Na Emergência do HSVP, os pacientes são atendidos conforme o “Sistema Manchester” de Classificação de Risco, determinando a ordem de atendimento ao usuário, em conformidade com a gravidade da sua condição clínica, garantindo que o primeiro atendimento médico ocorra em tempo ideal, segundo a estratificação de cores, que sugerem níveis de gravidade clínica particulares e metas de tempo a serem atingidas. A Emergência do hospital deve ser utilizada nos casos de urgência e emergência, diante de imprevistos. Se a situação não é de gravidade imediata, procure o seu médico de confiança, que pode acompanhar melhor o seu histórico clínico. Além disso, em um ambiente confinado como a emergência, pode haver a transmissão de doenças contagiosas como conjuntivite, tuberculose, gripe, meningite e virose, por exemplo.

Casos em que o atendimento deve ser realizado no Pronto Socorro/Emergência:

• Acidentes de carro;

• Acidentes de origem elétrica;

• Acidentes com projeteis de armas de fogo;

• Acidentes com armas brancas;

• Acidentes com animais peçonhentos (cobra, escorpião etc.);

• Lesões esportivas;

• Fraturas e cortes por acidentes ou quedas;

• Queimaduras;

• Afogamentos;

• Hemorragia;

• Infarto do miocárdio (dor no peito);

• Dificuldade respiratória ataque de asma, pneumonia;

• Derrames, perda de função e/ou dormência nos braços ou pernas;

• Perda de visão ou de audição súbitas;

• Inconsciência;

• Confusão, alteração do nível de consciência, desmaio;

• Pensamentos suicidas ou homicidas;

• Intoxicações por medicamentos ou drogas;

• Dor abdominal grave e vômito persistente;

• Intoxicação alimentar;

• Sangue no vômito, na tosse, na urina ou nas fezes;

• Reações alérgicas graves à mordida de inseto, a alimento ou à medicação;

• Complicações de doenças; e

• Febre alta, acima de 38, 5ºC

• Dor no peito

• Dor de cabeça com início súbito

Leia Também Saúde pública: secretária fala sobre os atendimentos na atenção básica do município Vinte e seis mortos e 830 pessoas infectadas com o coronavírus Hospital Municipal com processo seletivo para médicos Tudo que você precisa saber sobre o coronavírus