Escola Municipal Frederico Ferri de cara nova

Compartilhe

Agora, os alunos da instituição contam com uma biblioteca repleta de livros e jogos

Com espaços reorganizados e muitas novidades, a Escola Municipal de Ensino Fundamental Frederico Ferri é outra instituição contemplada pelo Programa Minha Escola de Cara Nova, da Prefeitura de Passo Fundo. Ao longo das férias, ela passou por intervenções, que têm como principal objetivo a criação de um lugar aconchegante para alunos e professores.

Cada ambiente ganhou uma cor diferente. O refeitório e a sala dos professores foram reestruturados, dispondo de mais espaço e movimento. Mas o que mais encheu os olhos de quem passa grande parte do dia na escola foi a biblioteca, que não existia por lá.

Centenas de livros preenchem extensas prateleiras do espaço, que contrasta o amarelo cheio de energia das paredes com uma paisagem verde existente além das janelas. Mesas para leitura se misturam a um tatame alternativo para acolher as crianças, que ficam na companhia de autores estrangeiros, nacionais e locais.

A diretora, Simone da Silva, explicou que, antes da mudança, os alunos do primeiro ao quinto ano recebiam os livros em suas salas. Os dos anos acima eram levados até a sala dos professores, onde estavam as obras indicadas para as suas faixas etárias. “Trabalhamos a leitura dessa forma por muito tempo”, relatou.

Para ela, a transformação é importante para ampliar o entusiasmo e a autonomia dos alunos, que passaram a ter ao seu alcance a possibilidade de escolher o que irão ler. “Pensamos em deixar os livros com a capa para cima para que eles consigam visualizar e se interessem pelas histórias. Eles veem as capas, foleiam os livros e sentam para ler”, diz.

Além dos livros, há muitos jogos, voltados à alfabetização, ao raciocínio lógico, a cálculos matemáticos e conhecimentos gerais. Entre um nicho e outro, também é possível encontrar instrumentos musicais e outros objetos que promovem o desenvolvimento dos alunos.

Claro que as crianças adoraram cada detalhe e, ao conhecerem o local, não queriam sair mais dele. Depois de escrever no quadro com giz, ler, montar um quebra-cabeça e fazer música com um pequeno tambor, a estudante Gabriela, do 5º ano, descreveu a sensação de estar na nova biblioteca. “Queremos morar aqui”, disse.

Morar na biblioteca da escola não é possível. Mas, a partir dela, dá para fazer coisas ainda mais incríveis, como explorar a infinidade de lugares que existe no mundo da imaginação.


(Fotos: Comunicação Social)

Leia Também COVID-19: informação é a melhor saída para o combate às fake news Cogna disponibiliza cursos online gratuitos para garantir rotina de estudos e aprimoramento de carreira Aulas da IMED retornam em ambiente virtual nesta quarta APAE decide suspender atividades a partir de quarta-feira