Combate ao coronavírus altera dinâmica da despedida a entes queridos

Compartilhe

Encontrar amigos e familiares, receber um abraço bem apertado e poder honrar as memórias de quem já se foi são ações que fazem parte da vivência do luto e que reconfortam as famílias. No entanto, em tempos de coronavírus, as coisas não podem mais — pelo menos por enquanto — acontecer dessa forma. Embora o velório seja o momento para receber pessoas e ter contato com essa rede de apoio, as tradições precisaram de algumas alterações para que se evite a propagação do vírus.

Em meio à pandemia, os locais que realizam cerimônias de despedida se readequaram a essa realidade sem deixar, claro, de oferecer apoio em um momento tão pesaroso.

O Memorial Vera Cruz é o maior cemitério e crematório de todo o Norte do RS. Já recebeu mais de 10 mil famílias enlutadas e ainda é o principal local da região onde as pessoas buscam conforto e tranquilidade.

Justamente por ser uma mudança de tradições, a comunidade manifestou muitos questionamentos. Como será a partir de agora?

Nesta matéria, buscamos saber quais estão sendo as principais medidas de prevenção e qual é a orientação à comunidade e quem nos responde é o próprio diretor do Memorial, Felipe Badotti.

Mudanças necessárias

Nas últimas duas semanas, a rotina de trabalho no Memorial Vera Cruz mudou. “Tivemos de readequar nossas atitudes para promover a prevenção do coronavírus. Nosso trabalho envolve responsabilidade por muitas pessoas, então foi preciso tomar medidas bastante assertivas para este momento”, indica Badotti. O diretor esclarece que essas medidas são uma série de recomendações específicas, tanto ao visitante, quanto ao colaborador.

Para o visitante:

·         A ocupação máxima das salas de velório e cerimônias foi reduzida para 30% da capacidade total;

·         O tempo dos velórios e das cerimônias foi reduzido: agora a despedida tem menos tempo de duração, mas mais significado para eternizar as memórias do ente querido;

·         As portas e janelas ficam permanentemente abertas;

·         Uma pia foi instalada na entrada do prédio e é procedimento padrão higienizar as mãos na chegada e na saída;

·         Álcool em gel 70% está disponível em todos os ambientes do Memorial;

·         Os visitantes são orientados a não cumprimentar as pessoas com beijos, abraços nem apertos de mão;

·         É orientada a distância de 1 metro entre as pessoas;

·         Nas salas de velório, o mobiliário foi alterado e foram inseridas cadeiras plásticas para possibilitar a higienização completa dos ambientes;

·         A equipe de limpeza adotou como procedimento padrão de higienização o mesmo método utilizado em hospitais para esterilização dos ambientes;

·         As equipes de atendimento foram mantidas, para poder orientar e monitorar as atitudes dos visitantes;

·         Máscaras de proteção estão sendo oferecidas para qualquer visitante que apresentar sintomas de gripe.

Para os grupos de risco, cuja recomendação dos órgãos de saúde é não sair de casa, o Memorial Vera Cruz oferece a opção de acompanhar as cerimônias via internet. “Criamos o velório ao vivo para unir dos familiares aquelas pessoas que não podem estar presentes, seja por um problema de mobilidade ou até mesmo pela distância. Diante do vírus, o velório online também se tornou uma ferramenta eficiente para aqueles que são classificados no grupo de risco e não podem, de maneira nenhuma, sair de casa”, explica Felipe Badotti.

Para o colaborador:

·         Os setores administrativos e de comunicação estão fazendo turnos remotos;

·         Os setores de atendimento funerário, auxílio e limpeza, que foram ampliados em prol da comunidade, têm à disposição todos os equipamentos de proteção individual (EPIs) necessários, bem como materiais de desinfecção (como água sanitária e álcool em gel) e o treinamento necessário para operar diante da pandemia;

·         Os colaboradores que fazem parte do grupo de risco e os que apresentaram sintomas de gripe foram afastados.

Mudança no acolhimento das famílias

Por conta da prevenção ao coronavírus, agora as famílias serão atendidas em salas individuais. O Memorial Vera Cruz tem equipe e salas especiais para realizar o atendimento a 5 famílias simultaneamente, sem oferecer riscos de contágio.

Além disso, depois de ter o mobiliário das salas de velório alterado, não há mais — temporariamente — assentos estofados. Com a mudança, as equipes de limpeza conseguem esterilizar 100% do ambiente antes do uso da família e, assim, ficar livre da propagação do coronavírus.

“São atitudes que significam muito para a nossa busca pela prevenção e, neste momento, o importante é garantirmos a saúde e segurança de todos que passam pelo nosso espaço, ressalta Badotti.

Proteção financeira

Também em respeito à responsabilidade social que o Memorial Vera Cruz tem com a comunidade, foi tomada uma decisão muito importante para a execução do atendimento funeral que o Memorial presta.

No caso de óbitos decorrentes do coronavírus, os familiares não precisarão proceder com o pagamento de carência dos contratos.

“Está sendo um momento financeiramente difícil e nós queremos nos comprometer com as famílias que acreditaram no nosso trabalho e nos deram a missão de cuidar de seus entes queridos. Nosso desejo é de que a pandemia não tenha aqui na nossa região o mesmo impacto que está tendo em outros locais do mundo. Mas, se registrarmos óbitos decorrentes do coronavírus, os beneficiários de nossos planos funerários serão isentados da carência e nós manteremos nosso atendimento cuidadoso e honroso para as famílias”, finaliza o diretor do Memorial Vera Cruz.


Leia Também Pirelli anuncia 150 demissões e fechamento de unidade em Gravataí Contas da RGE mais caras a partir deste início de julho Sobe para 10 o número de mortos após ciclone bomba na região sul Santa Catarina tem ao menos oito pessoas mortas após passagem de ciclone