Resíduos Domiciliares na Quarentena: Saiba o que fazer com o seu durante a pandemia do novo Coronavírus

Postado por: Manoela Cielo

Compartilhe
Estamos vivendo um momento singular, onde ao mesmo tempo em que nos traz medo e insegurança, traz também muitas informações desencontradas, fazendo com que a população fique ainda mais vulnerável frente a essa pandemia do novo Coronavírus Covid-19.

A recomendação é ficarmos em quarentena e com muitas famílias em casa respeitando dias de isolamento, a geração de resíduos domiciliares aumenta significativamente.

Assim como a higiene pessoal, lavar as mãos, manter os locais limpos e destinar corretamente os resíduos, contribuem positivamente para o momento, é importante considerar que o coronavírus pode se manter vivo durante certo período em superfícies, como no plástico até 05 dias, no papel de 04 a 05 dias, vidro 04 dias, alumínio de 02 a 08 horas, aço 48 horas, madeira 04 dias, luva cirúrgica 08 horas.

Essas informações que constam no documento de recomendações para a gestão de resíduos em situação de pandemia da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental - ABES, também recomenda que durante esse período sejam suspensos os serviços de coleta seletiva pelo risco que representam, devendo ser mantidos os serviços de coleta regular dos resíduos e de limpeza urbana.

Nesse sentido, é importante que quem puder separe seus resíduos recicláveis como plástico, papel, papelão, metal e vidro higienizados, deixando sob radiação solar direta se possível, e armazenando temporariamente em casa ou em um espaço físico se existir, para que no momento possível (quando a coleta seletiva for retomada) esses materiais sejam doados a recicladores.

Essa ação contribui para que os resíduos com valor agregado não sejam descartados no lixo comum virando rejeito. O vírus é um parasita intracelular obrigatório, fora do corpo ele tem um tempo de viabilidade que não é muito grande, sendo que depois disso não faz mal algum, não tem capacidade de se reativar e voltar a infectar.

É fundamental que nesse momento os profissionais que dependem do resíduo tenham suas vidas preservadas frente à pandemia do coronavírus e nesse sentido o documento da ABES também recomenda que os recicladores recebam um auxilio social temporário a ser instituído pelos governos locais.

Em relação aos resíduos que não são recicláveis, é importante que os mesmos sejam colocados em sacos de lixo resistentes e fechados para posterior descarte em local apropriado, devendo o cidadão higienizar imediatamente as mãos após essa ação de descarte.

Para uma melhor gestão dos resíduos em situação de pandemia do coronavírus, o documento ainda recomenda a criação de um Comitê para elaboração de um plano de contingência com o município e entidades envolvidas na prestação desse serviço, para que as ações sejam bem articuladas e eficazes no combate a pandemia, nos cuidados com a saúde da população e do meio ambiente. Nunca foi tão necessário o desenvolvimento de ações e hábitos sustentáveis, o problema é global, mas as ações devem ser locais para podermos fazer a diferença no enfrentamento dessa situação.

Bióloga Manoela Cielo – Consultoria Ambiental e Sustentabilidade.
Contato: cieloambiental@gmail.com – (54)98132-5141

Leia Também Jovens ainda escolhem ser professoras É preciso afiar o machado A divulgação do vídeo da reunião ministerial Contar histórias e fazer memórias