RS registra primeira morte do ano por dengue

Compartilhe

O Centro Estadual de Vigilância em Saúde do Rio Grande do Sul confirmou, nesta sexta-feira a primeira morte por dengue hemorrágica, em 2020, em cidades gaúchas. A vítima, uma mulher de 70 anos, residia em Santo Ângelo.

Esse é o terceiro óbito registrado no Grande do Sul, em função da doença – causada pela picada do mosquito Aedes aegypti. A Secretaria Estadual da Saúde lembra que os dois primeiros ocorreram, ainda em 2015, em Santo Ângelo e Panambi.

Passo Fundo tem dois casos de dengue

Enquanto as atenções estão direcionadas ao coronavírus, a dengue segue preocupando em Passo Fundo. Esta época do ano é a mais crítica para o controle do Aedes aegypti. Embora não chova com frequência, é possível perceber que mesmo assim os mosquitos e as larvas são encontrados em grande quantidade. Qualquer recipiente que encontrarmos água parada, seja a menor quantidade, tem a presença de larvas. Lembrando que nosso pico para risco de Epidemia de Dengue, vai até final de maio, quando as temperaturas começam a baixar e o  risco também diminui.

Em 2019, houve várias notificações de casos suspeitos de dengue. Confirmados, 1 caso autóctone, contraído em Passo Fundo e 1 caso importado do Mato Grosso. Em 2020, foram confirmados dois casos importados, sendo um de Brasília e um de Mato Grosso. São mais de dez casos suspeitos.

Ivânia Silvestrin, enfermeira-chefe do Núcleo de Vigilância Ambiental em Saúde, ressalta que é importante a população aproveitar a quarentena  para fazer a sua parte no controle do mosquito, eliminando água parada dos seus quintais e até mesmo de dentro de suas casas.

A dengue mata em proporções bem significativas, sendo que houve um acréscimo de 130% nos casos de dengue. Se não forem atendidas as exigências que as autoridades de Saúde tem lembrado, é possível  passar por situação semelhante à pandemia que se vive hoje.

Passo Fundo em 2019, teve Índices de Infestação de 5,9 %, considerado alto risco para Epidemia.

Os cuidados são bem simples e fáceis de realizar, basta não manter água parada em potes, tonéis, caixas d'água, pratinhos, lonas , manter piscinas tratadas, ralos protegidos com tela, água da chuva protegida com telas, calhas limpas e desobstruídas, enfim, cuidar de tudo que possa acumular água, ressalta a enfermeira-chefe do Núcleo de Vigilância em Saúde.


Leia Também Médico do HSVP alerta para doenças vasculares resultantes da pandemia Hemoterapia do HSVP realiza entrega de troféus aos vencedores do concurso Gaúcho Doador Campanha orienta para os cuidados com o mosquito Aedes aegypti: Passo Fundo registrou oito casos em 2020 Vacinação contra a poliomielite é prorrogada até dia 27 em Passo Fundo