Conhecendo Judaísmo pelos testemunhos de um religioso

Postado por: Nei Alberto Pies

Compartilhe

Conheço Berel Natan Engelman há mais de 10 anos. Ele é a liderança espiritual da Comunidade Judaica de Passo Fundo https://www.sinagogapf.com.br  por mais de 25 anos. Uma pessoa sempre disponível, aberta, paciente e que encoraja professores e professoras que tem a incumbência de trabalhar o conhecimento das diferentes religiões em sala de aula.

Engelman participa há mais de 10 anos do CONER – Seccional Passo Fundo. O Coner é uma entidade da sociedade civil, organizada por representantes das diferentes religiões, e que cumpre papel importante de orientar, fomentar e exigir das redes de ensino a implantação, a organização e a oferta do ensino religioso como área de conhecimento no ensino fundamental e no ensino médio (caso específico do RS).

O CONER-RS, fundado no ano de 2004, tem, entre outras finalidades: “articular a ação conjunta de todas as denominações associadas, com o objetivo de somar forças na busca de meios e condições que assegurem a tutela do direito à liberdade de consciência religiosa e do direito ao Ensino Religioso, como parte integrante da formação básica do cidadão”.

Numa das primeiras palestras sobre Judaísmo numa escola pública municipal de minha cidade, a meu convite, aconteceram episódios que relatarei agora como forma de conhecimento e reconhecimento dos conteúdos essenciais do Judaísmo.

“Chegando à escola, Berel foi recebido por alguém da direção. Eu estava com duas turmas de alunos de oitavo e nonos anos, aguardando sua presença.

Assim que adentrou na sala, me disse “Shalom”, que significa em hebraico paz, harmonia, bem-estar e pode ser usado idiomaticamente para significar olá e adeus como saudações.

 = Shalom

Engelman apresentou-se, organizou seu material, e expôs o seu conteúdo às turmas que demonstravam certo interesse, uma vez que já haviam sido preparados por seu professor em aulas anteriores. Mas revelava-se bastante tenso.

Dividiu a sua apresentação (palestra) em PowerPoint em Fundamentos da fé judaica e em conhecimentos sobre o Holocausto Nazista (genocídio ou assassinato em massa de cerca de seis milhões de judeus durante a II Guerra Mundial).

Quando passou da primeira meia hora de apresentações, a tensão do palestrante veio a tona. Berel contou para os mais de 35 alunos que, desde a entrada na escola, vira muitas suásticas (no pórtico da entrada, nas paredes e nas classes da sala). Perguntou se os alunos sabiam do seu significado. Eles responderam que não.

Os alunos ficaram estupefatos e chocados com as informações que receberam logo após este momento. Não faziam ideia e nem tinham a dimensão do que este símbolo nazista representa como sofrimento na memória recente do povo judeu no mundo. Claro que, alguns poucos, continuaram a não entender o porquê de tamanha ênfase a este conteúdo.

Foi uma grande aula de história e um grande depoimento de um judeu revelando sua indignação e sofrimento com relação a este símbolo tão emblemático usado por Hitler na Alemanha, durante a implantação do regime nazista.

Mas, o que eu aprendi, como professor, viria depois. No final, ao sair da sala, Berel Natan Engelman pediu para que eu o acompanhasse até a saída da escola. Quando chegamos na saída, mostrou-me um desenho do símbolo nazista desenhado numa das pilastras da entrada da escola. Pediu licença para segurar a minha mão. Neste momento, apagamos juntos o símbolo, que fora desenhado através de um giz. Este gesto marcou-me profundamente. Aproximou-me muito deste ser humano que, além de cumprir com suas tarefas religiosas, faz o possível para ajudar as gerações jovens entenderem a crueldade do nazismo e a importância do seu povo e de sua cultura no Brasil e no mundo.

Engelman continuou e continua generoso em sua missão de abrir a sinagoga para a “visita de conhecimentos” que passamos a realizar uma vez ao ano, com estudantes do nono ano do Ensino Fundamental.

Continua, também, disponível a dar palestras sobre Fundamentos da fé judaica. A visitação ao Cemitério Israelita também pode ser agendada pela página que segue, contendo os contatos e telefones das pessoas responsáveis. https://www.sinagogapf.com.br/chevra_kadisha

Assim escreveu:

“Quero deixar meu depoimento em relação às diversas visitas realizadas pelo Professor Nei Alberto Pies e por outros Professores juntamente com seus alunos em nossa Sinagoga (Templo Judaico). A experiência vivida certamente é muito positiva para ambos os lados, mas ter convivido esses momentos, seguidos de várias perguntas formuladas pelos alunos, só vem reforçar o que nós como entidade religiosa pensamos em relação à proximidade com outras pessoas de culto e fé diferente da nossa. Parabenizo pela iniciativa das visitações junto aos locais sagrados tendo a certeza que esta juventude crescerá com mais informações, sabendo respeitar as culturas diversas existentes em nossos país. Parabéns e Shalom! (Berel Natan Engelman, Presidente e Líder Espiritual da Sociedade União Israelita de Passo Fundo)

 

Autor: Nei Alberto Pies

Leia Também O cristão cidadão – 2ª parte “Abre tua mão para o teu irmão” (Dt 15,11) Mês da Bíblia: o livro do Deuteronômio De faxineiro a gerente