'Pode divulgar', diz Bolsonaro sobre vídeo de reunião com ministros

Compartilhe
Adriano Machado/Reuters - 13.05.2020   Adriano Machado/Reuters - 13.05.2020 
O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quarta-feira (13), que, da parte dele, o vídeo com a reunião ministerial do dia 22 de abril, citado pelo ex-ministro Sergio Moro como um indício de interferência política na PF (Polícia Federal), pode ser tornado público. 

"Se precisar, pode divulgar. Não existem as palavras “Polícia Federal” em todo o vídeo. Não existe a palavra investigação sobre filhos. Eu falo sobre a segurança da minha família e meus amigos. Ou você acha que não há interesse em fazer uma maldade com filho meu?", questionou Bolsonaro.

"Eu cobrei a minha segurança pessoal no Rio de Janeiro. A PF não faz minha segurança pessoal. Quem faz é o GSI", completou. "Eu ia divulgar isso [o vídeo] antes. [...] Quando Moro falou da reunião, eu segurei [...] Isso que foi falado, manchete nos três principais jornais... Vão cair do cavalo de novo", avisou.

Ontem, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello deu o prazo de 48 horas para a PGR (Procuradoria-Geral da Repúblicao), AGU (Advocacia-Geral da União) e o próprio Sergio Moro opinarem sobre a divulgação total do vídeo.

Bolsonaro lembrou que o ex-ministro "foi prudente" nas declarações que deu até agora sobre o vídeo. "Da minha parte, não tem sigilo de nada. [...] Da minha parte está liberado. [...] É você ir numa discussão de pauta. Sai muita coisa dali, tem muita ideia maluca ali. Na reunião de ministros é assim. Então, o que acontece, dessa parte está liberado", reforçou.

*R7

Leia Também Bolsonaro escolhe Renato Feder para ser novo ministro da Educação Congresso promulga emenda que adia eleições municipais para novembro Promulgação da PEC que muda datas das eleições 2020 acontece nesta quinta-feira Bolsonaro sanciona lei que prevê ajuda aos artistas informais com o auxílio de R$ 600