Dia Internacional da Biodiversidade: cuidado com a fauna, a flora e o meio ambiente

Compartilhe

Criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) no ano de 1992, o Dia Internacional da Biodiversidade é celebrado nesta sexta-feira, 22 de maio. A data objetiva conscientizar a população sobre a importância da diversidade biológica e da necessidade da biodiversidade em todos os ecossistemas do planeta Terra.

O Grupo de Estudos de Animais Silvestres da Universidade de Passo Fundo (Geas/UPF) atua nessa área através do trabalho desenvolvido com animais silvestres e envolve o atendimento cirúrgico de espécies, e a promoção de atividades que visam à ampliação da aprendizagem. Dentre as ações realizadas pelos participantes, estão programas de conscientização da fauna brasileira, como forma de aperfeiçoamento e formação de cidadãos mais conscientes do necessário cuidado com o meio ambiente.

Segundo a professora e coordenadora do Geas, Me. Michelli de Ataíde, o grupo age fortemente na reabilitação e conservação da fauna, bem como no atendimento de animais feridos e que necessitam de cuidados humanos, seja no âmbito de pessoas ou no caso de órfãos. “No que se refere à conservação, se reabilitamos e conseguimos devolver à natureza uma determinada espécie em extinção, como, por exemplo, o lobo-guará, a biodiversidade não perdeu aquela espécie”, comenta.

Além disso, os membros do grupo trabalham com assuntos ligados à educação ambiental. “Vamos nas escolas para conversar com as crianças e os professores, dando exemplos de conservação. Ainda atendemos os tutores que acabam encontrando os animais e os levam para o Hospital Veterinário da UPF. Fazemos esta educação com a própria pessoa, tornando-a mais instruída após uma consulta ou uma intervenção. Também desenvolvemos ações de recolhimento de lixo e de conservação do ambiente”, conta Michelli, que espera, por meio das práticas executadas, que a comunidade siga o exemplo e mude suas atitudes no dia-a-dia no que se refere à preservação.

Covid-19 e a biodiversidade
Problema mundial, a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) modificou a rotina de grande parte da sociedade, que atualmente está em quarentena, no isolamento social. Consequentemente, estas medidas de combate à doença ocasionaram uma redução no número de pessoas e de carros nas ruas, o que surtiu efeito no meio ambiente e na biodiversidade como um todo. Conforme Michelli, a situação possibilitou que animais sejam mais vistos, pois eles se sentem mais à vontade já que os seus espaços não estão sendo mais invadidos. “Isso ocorre em todo o mundo. Nesse período de quarentena, o impacto humano no Planeta diminuiu, então as espécies se sentem muito mais confortáveis e menos ameaçadas. Também no meio ambiente, com menos pessoas circulantes, há menos impacto no solo e na água. Um exemplo são as praias, que, por não estarem sendo frequentadas durante o isolamento, acabam ficando mais limpas”, relata a docente.

A professora lembra que com a circulação de menos carros nas estradas há uma diminuição no número de atropelamentos de animais. “Como resultado disso, a fauna é conservada”, complementa.

Ajude a preservar, conservar e consumir
A comunidade pode e deve ser ativa na preservação da biodiversidade. De acordo com Michelli, inúmeras são as ações que as pessoas podem fazer para contribuir, principalmente neste momento em que a maioria se encontra dentro de casa. “Fechar a torneira enquanto escovamos os dentes economiza água, por exemplo. É preciso também economizar energia, estar atento ao consumo de plástico e no uso do carro. Quando se estiver em alguma área de comum acesso, tente deixar o menor impacto possível, e é fundamental não consumir produtos ou comprar animais ilegalmente”, aconselha.

Para a coordenadora do Geas, é necessário trabalhar a conscientização das pessoas quanto a importância da biodiversidade. “Vivemos uma pandemia que, talvez, nos ajude a refletir as ações humanas. A proximidade e o consumo desenfreado de animais silvestres, em que tudo tem que virar alimento ou produto, gera um impacto que provoca consequências inesperadas e até desconhecidas. Na quarentena, podemos refletir sobre as nossas próprias ações. Através da diminuição do impacto do homem na terra, já notamos a biodiversidade mais aflorada e feliz em um ambiente muito mais saudável”, finaliza Michelli.

Foto: Divulgação/Internet

Leia Também Principal barragem de Passo Fundo não recuperou seu nível ideal Forte estiagem promove ação de salvamento de diversos peixes na barragem de Ernestina GESP preocupado com morte de peixes no Rio Passo Fundo Dez mulheres foram mortas em janeiro de 2020 no RS