Confederação dos Municípios e Famurs pedem cancelamento das eleições de 2020

Compartilhe

Um dia após o ministro Luís Roberto Barroso ter tomado posse na presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) encaminhou uma carta ao Congresso Nacional pedindo a não realização das eleições municipais neste ano, previstas para outubro. O documento compila uma série de apontamentos que, segundo a CNM, comprometem a realização do pleito.

Um dos fatores é que 1.313 prefeitos em exercício fazem parte do grupo de risco da Covid-19, por terem mais de 60 anos, sendo que, destes, 1.040 podem disputar a reeleição. A carta cita ainda o fato de que a “democracia assegura a todos os cidadãos o direito de votar e de ser votado”.

A carta também menciona risco à democracia se a participação popular vier a ser “tolhida por medo da infecção, pelo desconhecimento das plataformas políticas e até mesmo dos candidatos” em disputa.

A carta defende a “não realização das eleições municipais no corrente ano”, “no sentido da unificação dos mandatos com a realização de uma eleição geral em 2022”. O documento assinado pelo presidente da CNM, Glademir Aroldi, resultou de uma assembleia geral da entidade, realizada nessa segunda-feira.

No Rio Grande do Sul, a Famurs e os presidentes e representantes das 27 Associações Regionais de Municípios também discutiram o assunto e, de maneira unânime, apoiaram o cancelamento do pleito de 2020.

O presidente da Famurs, Dudu Freire, afirmou existirem muitas incertezas, como o avanço da pandemia no país nos próximos meses e as dificuldades enfrentadas pelos prefeitos em fim de gestão. “Os gestores estão intranquilos de tomar medidas necessárias e sofrerem contestações. Estão mais suscetíveis, por ser um ano eleitoral”, enfatizou.

A Famurs listou ainda o impacto no calendário eleitoral, que vai ser maior a partir de julho, quando devem ocorrer as convenções. Reconheceu, porém, que há discussão sobre qual o melhor momento para o pleito: ou em alguma data de 2021 ou a unificação em 2022.


Fonte: Rádio Guaíba

Leia Também Deputada quer incluir absorventes na cesta básica distribuída pelo governo do RS Bolsonaro sobre combate à Covid-19: “Nenhum país do mundo fez como Brasil” Governador Eduardo Leite sanciona lei que promove combate à violência contra as mulheres Bolsonaro faz exames de covid-19 e cancela agenda da semana