A atuação multiprofissional no tratamento da covid-19: o papel da fonoaudiologia

Compartilhe
Foto: Diogo Zanatta   Foto: Diogo Zanatta 

O cuidado integral ao paciente no Hospital de Clínicas (HC) de Passo Fundo tem a contribuição de muitas mãos, que além da técnica profissional oferecem atenção humanizada. Referência no atendimento aos casos de covid-19 na região Norte do Rio Grande do Sul, o Hospital de Clínicas conta com vinte e três leitos de UTI e mais de quarenta leitos clínicos específicos para o atendimento desta doença.

A rede de cuidado responsável pelo atendimento aos pacientes diagnosticados com a covid-19 possui a participação de diversos profissionais, com formação em diferentes áreas da saúde. A fonoaudiologia é uma destas áreas que atuam na reabilitação do paciente. “O foco da atuação fonoaudiológica está na reabilitação da disfagia e redução do risco de broncoaspiração, pois pacientes com dispneia ou que tenham feito uso de ventilação mecânica invasiva apresentam elevado risco de aspirar alimento para os pulmões e desta forma evoluir com agravamento no quadro pulmonar.” explica o fonoaudiólogo do Hospital de Clínicas, Ronan Mattos Mezzalira.

O fonoaudiólogo do HC esclarece como ocorre a intervenção do profissional no ambiente hospitalar. “As intervenções fonoaudiológicas têm como objetivo definir quais alimentos são seguros para o paciente comer por via oral, reabilitar a função da deglutição, restaurar a qualidade vocal e melhorar a comunicação dos pacientes na fase de recuperação clínica.” pontua Ronan. Desta forma, a fonoaudiologia é uma das principais responsáveis pela qualidade de vida do paciente durante e após o tratamento.

O especialista relata os principais desafios profissionais durante este período de pandemia. “A fonoaudiologia é uma profissão que trabalha muito com a manipulação das estruturas faciais e cervicais e por isso entra em contato com a mucosa e secreções de vias aéreas dos pacientes, porém atualmente recomenda-se a mínima manipulação possível dessas estruturas. Diante disso, uma das principais dificuldades profissionais consiste na necessidade de buscar novas formas de trabalho para avaliar e reabilitar as funções de deglutição e de comunicação de forma segura para os profissionais da equipe e ao mesmo tempo efetiva para a reabilitação dos pacientes.” finaliza Ronan.

O trabalho destes profissionais de todas as áreas se complementa dentro do ambiente hospitalar. Esta atuação conjunta permite cada vez mais a evolução dos tratamentos através da integração de técnicas e conhecimentos científicos para a recuperação completa de cada paciente.


Leia Também Abertas as inscrições para o curso Técnico de Enfermagem do HSVP Prefeitura reforça em reunião que não há proibição a qualquer medicamento em Passo Fundo Hospital de Clínicas recebe três respiradores para enfrentamento ao coronavírus Secretaria de Interior alerta para a importância do consumo de produtos de origem animal inspecionados