Será que estou com Depressão?

Postado por: Élvis Mognhon

Compartilhe

A depressão afeta milhares de pessoas em todo o mundo. Dados estatísticos apontam que no Brasil 12 milhões de pessoas sofrem de depressão. O transtorno depressivo afeta de forma severa o humor dos indivíduos, diminuindo consideravelmente a energia para as atividades que antes davam prazer e alegria, causando indisposição e diminuição considerável da energia vital.

Os principais sintomas da depressão segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM 5) são: Humor deprimido na maior parte do dia, quase todos os dias (p. ex., sente-se triste, vazio, sem esperança) ou por observação feita por outras pessoas; acentuada diminuição do interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades na maior parte do dia, quase todos os dias; perda ou ganho significativo de peso sem estar fazendo dieta; insônia ou excesso de sono quase todos os dias; sensação de fadiga ou perda de energia vital; sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva; capacidade diminuída para pensar ou se concentrar, indecisão; pensamentos recorrentes de morte, vontade de se suicidar e acabar com o sofrimento.

Em termos de prevalência a faixa etária dos 18 aos 29 anos merece um destaque especial. Nessa faixa etária, a presença de transtorno depressivo é três vezes maior que na faixa de pessoas acima dos 60 anos. Em termos de gênero, mulheres apresentam índices até 3 vezes mais altos de incidência do que nos homens.

Amigos e familiares precisam estar muito atentos aos sinais de mudança, para poderem oferecer ajuda e conforto na busca pelo tratamento adequado. Quando o indivíduo está com depressão, apresenta uma tendência muito grande ao isolamento. Há, inclusive, uma tendência em não procurar ajuda, pensando que ninguém poderá ajudar. Esse é o grande risco, pois cada vez mais, o indivíduo tende a se colocar em uma posição de solidão, afastamento e voltado para si. Por isso, torna-se tão importante a observação das pessoas próximas.

A psicoterapia é um importante método de tratamento e precisa ser considerado pelo paciente e seus familiares. Associada ao uso de medicação apropriada, tem sua ação potencializada e é capaz de ajudar muito os indivíduos com esse transtorno.

Se você se identificou com esses sintomas e situações, ou conhece alguém nessas condições, não espere mais, busque ajuda profissional, antes que seja tarde demais.

 

** O leitor poderá enviar sugestões, dúvidas, questionamentos sobre o tema para o e-mail: emognhon@gmail.com Para agendar atendimentos clínicos utilizar o WhatsApp (54) 99983 9966.

 


Leia Também Papa Francisco: um líder para estes tempos difíceis (2) Vínculos com as famílias para atividades a distância na pandemia A estátua de sal Medo e Ansiedade: é possível conviver com eles?