O que é o fascismo?

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

Nos últimos dias, a palavra mais falada nas redes sociais é o “fascismo”. Várias pessoas e movimentos que se dizem antifascista, mas que nem mesmo sabem definir o conceito da palavra, estão se manifestando, como antifascista. Pensando em trazer aqui uma reflexão e um debate sobre esta ideologia política, econômica e social chamada fascismo, vou ousar fazer algumas ponderações sobre o tema, com o intuito de instigar o seu posicionamento sobre este regime, além de fazermos algumas comparações, com movimentos de extrema esquerda e extrema direita.  

Vamos começar fazendo um breve resgate histórico do fascismo, onde ele nasceu, suas características e quais suas diretrizes políticas. O fascismo nasceu na Europa, na segunda metade do século XX, mais especificamente na Itália, por volta de 1.922, tendo como o seu principal líder, Benito Mussolini. As principais características do fascismo estão na concentração do poder nas mãos de um único líder, o autoritarismo, o ultra-nacionalismo, com o repúdio ao neoliberalismo, a repressão e controle dos meios de comunicação, a repressão violenta aos opositores políticos, com posições preconceituosas, racistas, anti-semitas (ódio aos judeus) e xenofobia (medo, discriminação e antipatia por estrangeiros). A palavra fascismo nos remete automaticamente ao regime nazista, que foi um regime adotado por Adolf Hitler na Alemanha, por volta de 1.920, sendo um dos episódios mais sangrentos e horrendos da história da humanidade, com práticas racistas e antissemitistas, como o holocausto, que perseguiu e matou milhares de judeus durante a Segunda Guerra Mundial, nos campos de concentração. Em resumo, o fascismo assim como o nazismo, são regimes políticos de governo que não nos trazem boas lembranças. São práticas violentas e autoritárias de governo, que jamais serão admitidas por uma sociedade como a nossa, que tem por base, a democracia, a pascificidade entre os povos, o respeito e boa convivência entre as raças e crenças, além do espírito da boa vizinhança e harmonia com os estrangeiros.

Mas agora que a gente já conhece um pouquinho do que é, como age e pensa um “fascista”, vamos fazer algumas comparações com o comportamento de alguns militantes e governantes, para vermos se há alguma semelhança com este regime? Muito bem, se você vai para a rua protestar, quebra vidraças de bancos, órgãos públicos, queima viaturas, agridem pessoas que pensam diferente de você, promovendo uma manifestação violenta e intransigente, você é antifascista ou fascista? Se você como governante ou autoridade, persegue e coíbe a livre manifestação da imprensa, de opinião, cerceando a liberdade de expressão das pessoas nas redes sociais, proíbe a liberdade de ir e vir das pessoas nas vias públicas, manda prender quem freqüentar praças (mulher algemada em praça pública), prende pessoas que estão caminhando na praia (família inteira presa), decreta confisco compulsório de bens e imóveis, você é um antifascista ou um fascista? Se analisarmos os comportamentos da militância de extrema-esquerda e da extrema-direita, vamos ver que ambas possuem comportamentos e ações, que se identificam com práticas fascistas. A acusação que se tenta fazer ao atual Governo Federal, de ser um governo fascista, me parece injusta, pois não estamos vendo por parte deste governo, ações que o identifiquem com o regime fascista, muito pelo contrário. O governo que tentou desarmar o povo, que queria fazer o controle social da mídia, era o governo de esquerda. As práticas violentas e intolerantes nas manifestações estão sendo feitas pelos movimentos de extrema esquerda. As medidas autoritárias e arbitrárias de governo estão sendo impostas por governadores e prefeitos, em sua ampla maioria, de partidos de esquerda. Os nossos ministros do STF estão dando exemplos de ditadura e repressão à liberdade de imprensa e de opinião, todos os dias, ou seja, não é o Governo Federal que se apresenta com práticas fascistas neste momento no Brasil, mas sim, os seus opositores.

Os brasileiros são um povo ordeiro, trabalhador e pacífico, que jamais irão se alinhar com práticas violentas, fascistas, discriminatórias e intolerantes. A maioria do povo brasileiro quer ordem e progresso em nosso Brasil. Jamais iremos admitir que terroristas queimem e rasguem a nossa bandeira. Temos orgulho de sermos brasileiros, um povo que tem origem na miscigenação de muitas raças, que respeita as diferenças políticas, religiosas, culturais, de gênero e sociais... “Viva a democracia brasileira! Viva o povo brasileiro! Avante Brasil! Juntos somos mais fortes! Diga não ao fascismo!”

Leia Também Preparar o Presépio Sobre o racismo e a ameaça às vidas negras A porta misteriosa RABISCOS SEMANAIS: “Se vocês se calarem, as pedras gritarão!”