MEC autoriza formaturas antecipadas devido ao Covid-19

Postado por: Marlon André Kamphorst

Compartilhe

O Ministério da Educação (MEC) lançou mais um recurso no combate ao coronavírus, desta vez através das instituições de ensino superior. Alunos estudantes dos cursos ligados à área da saúde, como Medicina, Enfermagem, Farmácia e Fisioterapia podem se formar ao concluir 75% do internato ou do ensino curricular obrigatório.

As informações sobre as Universidades e os alunos beneficiados podem ser conferidos no portal do MEC, que conta com o número de formaturas antecipadas das universidades privadas. Com isso, o sistema já computa 7.292 formados, sendo 2.219 em públicas e 5.073 em particulares. Os dados estão na aba “Colação de Grau Antecipada”. Nela, é possível verificar o número de formados por estado e por município, em instituições de ensino superior públicas municipais, estaduais, federais e privadas. Até o momento, a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) formou antecipadamente o maior número de alunos entre instituições públicas. Foram 107 médicos e 26 enfermeiros.

A nova funcionalidade implementada no painel mostra à sociedade quantos novos profissionais da saúde se formaram de maneira antecipada em cada município do país, e esses profissionais estão aptos para reforçar as redes de saúde pública e privada no atendimento à população. Trata-se de mais uma medida da pasta para dar maior transparência às ações de enfrentamento ao novo coronavírus.

Como exemplos da possibilidade e necessidade da realização conjunta desta antecipação de formatura, podemos citar o caso do médico generalista Andrey Salgado, de 23 anos, graduou-se pela UFMA em abril, durante uma videoconferência. Ele já trabalha em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município de São Luís (MA), em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) e em um hospital municipal, os últimos no município de Pindaré-Mirim (MA). Da mesma forma, a médica generalista Isadora Lopes, 22 anos, também colou grau antes do previsto. Ela se formou na Universidade Federal do Ceará (UFC). Atualmente, a médica está na linha de frente de uma UPA e de um hospital municipal referência em tratamento de coronavírus, ambos em Fortaleza.

Podemos igualmente mencionar que o sistema federal de ensino tem contribuído com testes para detecção do vírus, produção e distribuição de alimentos, de álcool em gel, de protetores faciais e de respiradores, além de pesquisa em desenvolvimento de vacina e assessoramento aos órgãos de saúde, nestes tempos de Pandemia na luta contra a propagação do novo coronavirus.

OPINIÃO DA COLUNA: Os gestores municipais que possuam munícipes estudando em cursos na área da saúde, poderão mapear os alunos e os períodos de formatura, e entrar em contato com o profissional para que possa, realizando a formatura antecipada trabalhar em Hospitais e Unidades de Saúde do Município com o objetivo de combater a propagação do novo coronavirus.

Leia Também Medo e Ansiedade: é possível conviver com eles? Louvor aos pequeninos! Papa Francisco: um líder para tempos difíceis (1) O Brasil errou o protocolo de tratamento do COVID-19?