Dom Adimir Mazali, bispo nomeado para Erechim, é ordenado no Paraná

Compartilhe


Na noite do último sábado, dia 20, na Catedral N. Sra. Aparecida de Cascavel – PR, Dom Mauro Aparecido dos Santos, Arcebispo local, conferiu a ordenação episcopal a Mons. Adimir Antonio Mazali, daquela Arquidiocese, nomeado Bispo da Diocese de Erexim pelo Papa Francisco no dia 15 de abril. Foram co-ordenantes, Dom Lúcio Baumgartner, Arcebispo emérito da mesma Arquidiocese e Dom Nélio Domingos Zortéa, Bispo de Jataí, GO, juntamente com outros 11 Bispos. Participaram da celebração em torno de 60 padres e 4 diáconos, alguns seminaristas, algumas religiosas, familiares e convidados.

No contexto da pandemia do Coronavírus, com isolamento total em Cascavel, todos usaram máscaras e observaram distanciamento, com ocupação mínima da ampla Catedral.

Após as leituras, foi iniciado o rito de ordenação, com o canto de invocação ao Espírito Santo. Foram apresentados alguns dados da vida do ordenando, que tem mais de 27 anos de ministério presbiteral. O vigário geral da Arquidiocese, Pe. Reginei José Modola, solicitou ao Arcebispo que conferisse a ordenação episcopal ao eleito.

Dom Mauro iniciou sua homilia referindo-se à escolha de Jesus de seus apóstolos, aos quais confiou a missão de anunciar o Evangelho até o fim dos tempos. Estes constituíram sucessores. O bispo ordenante ressaltou que agora, Mons. Adimir foi escolhido para ser um deles. “Não foi seleção ocasional ou casual. Ele não se apresentou e nem pediu para ser bispo”, destacou. Ele recordou o dia em que o Núncio Apostólico lhe pediu para comunicar a padre Adimir que o Papa o havia escolhido para bispo e que esperava sua resposta. Como havia ensinado aos seminaristas que a vida de todos estava no plano de Deus e não deles, deu o seu sim generoso. Dom Mauro observou ainda que não há diocese perfeita, nem presbitério ideal, nem modelo ideal de bispo. Ressaltou alguns aspectos da natureza e da missão do episcopado, especialmente de que é um serviço ao povo de Deus. Exortou a Diocese de Erexim, para a qual é enviado, a acolhê-lo com alegria e gratidão. Por fim, fez menção ao lema do ordenando, Sal da Terra e Luz do Mundo, e expressou gratidão a Deus pela sua vida e ministério na Arquidiocese de Cascavel até agora.

Concluída a homilia, o ordenante convidou Mons. Adimir a manifestar suas disposições para a ordenação através de diversas perguntas, respondidas com simplicidade e determinação. Foi cantada a ladainha de todos os santos, durante a qual o ordenando ficou prostrado ao chão, em sinal de sua entrega nas mãos de Deus.

Na sequência, deu-se o momento central do rito de ordenação episcopal, a imposição das mãos dos bispos sobre o ordenando, acompanhada por todos em profundo silêncio e a oração de ordenação.

Em continuidade, Dom Mauro ungiu a cabeça do novo Bispo e lhe entregou o livro do Evangelho, levado pelos padres assistentes, Pe. Claudir Vicente e Gustavo Luis Marmentini, e as insígnias episcopais, o anel, levado pela mãe, a mitra, pelo Pe. Mauro, vigário paroquial da Catedral, e o báculo pastoral, pelo Pe. Dirceu Balestrin. Evangelho, missão de pregar a Palavra de Deus e ser mestre da fé. Anel, união espiritual e compromisso com a Igreja. Mitra, a fortaleza e a salvação, vem do alto. Báculo, missão de guiar e orientar seu rebanho, a exemplo e em nome de Cristo Bom Pastor. Em sinal de acolhimento a ele no colégio episcopal, os bispos o saudaram com o gesto possível nas atuais normas de prevenção ao contágio da pandemia.

Seguiu-se a liturgia eucarística, após a qual Dom Adimir, conduzido pelos ordenantes, percorreu a igreja dando sua primeira bênção episcopal. Antes da conclusão da celebração, houve alguns pronunciamentos:

O representante dos padres da Arquidiocese de Cascavel, Pe. Josemar Weizemann, expressou a alegria e a gratidão a Deus por mais um membro de seu presbitério ter sido escolhido para o episcopado. Desejou-lhe ministério fecundo e assegurou à Diocese de Erexim que está recebendo um grande presente de Deus, alguém muito próximo e disposto ao trabalho.

O casal coordenador do Conselho Pastoral Paroquial da Catedral, Hélio e Cíntia Dalfofo, manifestou gratidão a Dom Adimir pelos 4 anos, três meses e 5 dias em que lá foi pároco. Ressaltou seu dinamismo, atendendo a tantas ocupações paroquiais e a pastoral familiar na Arquidiocese e no Regional Sul 2 da CNBB. Citou o seu lema e disse entregar-lhe presentes, acompanhados de carinho e oração.

O Prefeito de Anaí, município em que residem os familiares de Dom Adimir, que entregou placa do mais novo e ilustre cidadão da localidade.


O Administrador Diocesano de Erexim, Pe. Antonio Valentini Neto, que convidou alguns representantes da Diocese presentes a estar junto dele, em nome de todos os outros presentes naquela Catedral ou acompanhando pelos meios de comunicação. Lembrou a Igreja Católica no Brasil estava concluindo a Semana Nacional do Migrante e que a maioria dos brasileiros é descendente de migrantes europeus, africanos, asiáticos e outros. Do Sul, muitos migraram depois para Santa Catarina, Paraná e outros estados do País. Os antepassados de Dom Adimir migraram de São Paulo para a região. Agora, ele enviado para a região de origem de muitos habitantes de Cascavel e arredores. A partir de seu nome, Adimir, desejou-lhe um admirável pastoreio na Diocese. Expressou-lhe a saudação e a acolhida carinhosa de todos os diocesanos, expressa nos dizeres de um banner apresentado a toda a assembleia litúrgica: Diocese de Erexim, feliz com Dom Adimir, saúda a Arquidiocese de Cascavel.


Fonte: CNBB

Leia Também Igreja comemora os 40 anos da chegada de São João Paulo II ao Rio Grande do Sul Covid-19: Arquidiocese de Passo Fundo apresenta orientações sobre bandeiras na região Mensagem dominical do Papa Francisco: "A gratidão é um sinal de boa educação" Carreata de São Cristóvão confirmada para 26 de julho em Passo Fundo