Vereadores de Passo Fundo aprovam moção contra cobrança nos dois sentidos do pedágio de Coxilha

Compartilhe

Câmara aprova mais projetos em Sessão Online

Mesmo em tempos de pandemia do Coronavírus, a Câmara Municipal prossegue seus trabalhos visando os interesses da comunidade. Na tarde dessa quarta-feira (24), foi realizada uma Sessão Online comandada pelo vice-presidente da Câmara, vereador Ronaldo Rosa (SOLIDARIEDADE). Os parlamentares discutiram e votaram várias proposições de forma remota. Confira sobre o que foi apreciado nesta sessão:

Prorrogação de contratos de médicos no município

Os vereadores aprovaram um Projeto de Lei, em Regime de Urgência, de autoria do Executivo, que autoriza a prorrogação do contrato de médicos para o serviço de saúde de Passo Fundo. Segundo o texto da matéria, os contratos poderão ser estendidos por até doze meses.

A justificativa da proposta apresenta que a prorrogação se faz necessária devido à pandemia da Covid-19, que sobrecarrega os atendimentos, além do afastamento de profissionais pertencentes ao grupo de risco. Com isso, a proposta pretende evitar que haja desfalque considerável de pessoal nas equipes de atendimento na saúde do município.

Crédito Adicional Especial

A Câmara ainda aprovou um Projeto de Lei (PL), de autoria do Executivo, que permite abertura de crédito voltado ao Hospital Beneficente Dr. César Santos. O crédito adicional especial será no valor de R$ 100 mil, que serão aplicados no orçamento deste ano destinado à entidade.

Segundo a justificativa, o objetivo é adequar o orçamento do hospital ao elenco de contas do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE). De acordo com o texto do projeto, serão investidos valores na manutenção de encargos gerais e serviços clínicos, além de serviços de tecnologia da informação e comunicação, dentre outros setores.

Moção contra forma de cobrança no pedágio de Coxilha

O Legislativo também aprovou uma Moção de Repúdio contra a cobrança nos dois sentidos da via na praça de pedágio de Coxilha de forma unânime. De autoria do vereador Alex Necker (PCdoB), o documento reprova a maneira com que as cobranças vêm sendo feitas no local.

Segundo a justificativa da matéria, a cobrança é determinação do governo do estado do Rio Grande do Sul que vigora desde o último mês de abril. O texto reforça a preocupação com trabalhadores e estudantes que percorrem o trajeto que inclui a praça diariamente, além de alertar para um prejuízo para a economia da região.

Conforme solicitado no texto da Moção, com a aprovação, cópias do documento serão encaminhadas para o governo estadual, Assembleia Legislativa, Secretária de Logística e Transporte do Rio Grande do Sul, além de órgãos de imprensa local e estadual.

Leia Também Com mínima de -3°C, São Joaquim registra a primeira neve granular do ano Ampla e Ciplam definem sistema que reunirá informações de 62 municípios sobre o coronavírus Barragem de Ernestina começa a se recuperar da seca Vereadores de Mormaço aprovam redução de salários para a próxima legislatura