Que tal falarmos de ansiedade?

Postado por: Élvis Mognhon

Compartilhe

A ansiedade é uma reação do ser humano às situações cotidianas. Todos os dias somos interpelados por uma série de situações, decisões e escolhas que precisamos tomar. O simples fato de levantar da cama, todos os dias, é um exemplo de decisão que precisamos tomar. Isso, por si só, pode desencadear mecanismos ansiogênicos nas pessoas. O descontrole desse processo, porém, pode causar muito sofrimento devido aos mecanismos antecipatórios envolvidos.

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) refere que: “ansiedade é a antecipação de ameaça futura”. Nesse sentido, é possível afirmar que a ansiedade é o excesso de futuro na vida das pessoas. A antecipação de situações vindouras é muito comum entre os pacientes com transtornos de ansiedade. E o futuro? O futuro por si só é incontrolável. Não temos como antecipar situações, respostas e acontecimentos. Alguns filmes da década de 80 retrataram com maestria a ânsia humana de conhecer e dominar o futuro. A trilogia “De Volta para o Futuro”, pode ser considerada um bom exemplo desse anseio.

Segundo o DSM-5: os transtornos de ansiedade se desenvolvem na infância e tendem a persistir ao longo da vida se não forem tratados. Os transtornos de ansiedade têm uma incidência maior em indivíduos do sexo feminino em relação ao masculino (proporção de aproximadamente 66% nas mulheres e 34% nos homens). Faz-se importante destacar que a ansiedade está presente em diversos transtornos mentais. Entre os principais sintomas psicológicos da ansiedade destacam-se: dificuldade de concentração, nervosismo, medo constante, preocupação exagerada com o futuro, irritabilidade e pensamentos descontrolados geralmente de caráter negativo. Além disso temos os sintomas físicos: taquicardia, suor excessivo, respiração ofegante, falta de ar, fraqueza, cansaço desproporcional, entre diversos outros. Como mencionado anteriormente, a ansiedade está presente em diversos transtornos mentais, portanto toda a história da sintomatologia precisa ser levada em consideração no momento do diagnóstico.

Pessoas muito pragmáticas e organizadas, que precisam estar constantemente no controle da situação, geralmente sofrem muito mais com os sintomas e efeitos da ansiedade. Planejar em meio as incertezas do momento atual, reforça a importância da temporalidade e da importante lembrança de que a única coisa que temos é o presente. O passado já passou e o futuro ainda não chegou. Só temos o presente e algumas pessoas consomem o presente deixando de vivê-lo, pensando excessivamente no passado e no futuro. Isso, obviamente não significa que as pessoas precisam ser inconsequentes, sem levar em consideração as experiências passadas e vislumbrar as oportunidades futuras, mas o excesso precisa ser repensado.

Em tempos de quarentena há uma tendência de aumento do grau de ansiedade em virtude do isolamento social e das dúvidas quanto ao futuro. Muitas pessoas perderam o emprego ou viram suas rendas diminuídas consideravelmente. Com esse cenário avesso, é complexo manter a serenidade e centrar-se somente no momento presente, pois os boletos insistem em continuar chegando às nossas residências e não podemos ser hipócritas pensando que isso não vai impactar significativamente a saúde mental e o bem-estar das pessoas. Por isso, em tempos de crise, como o que estamos vivenciando atualmente, a saúde mental é colocada à prova todos os dias.

Os profissionais de saúde mental estão a disposição para ajudar nesse momento de instabilidade, levando em consideração a importância de permanecermos com sanidade necessária e suficiente para darmos conta das exigências que possam surgir passada a pandemia. Não protele a busca por ajuda, não esqueça de você. A psicoterapia é um importante método de tratamento e precisa ser considerado pelo paciente e seus familiares. Associada ao uso de medicação apropriada, tem sua ação potencializada e é capaz de ajudar muito os indivíduos no tratamento dos transtornos de ansiedade.

** O leitor poderá enviar sugestões, dúvidas, questionamentos sobre o tema para o e-mail: emognhon@gmail.com Para agendar atendimentos clínicos utilizar o WhatsApp (54) 99983 9966.

 

Leia Também O cristão cidadão – 2ª parte “Abre tua mão para o teu irmão” (Dt 15,11) Mês da Bíblia: o livro do Deuteronômio De faxineiro a gerente