NOSSOS DIREITOS: Afinal, o que é DIVERSIDADE? (Parte 1)

Postado por: Janaína Leite Portella

Compartilhe

Busquei, inicialmente, o conceito de diversidade na antiga Enciclopédia Brasileira Mérito*, encontrando a seguinte informação: “Qualidade ou caráter de diverso; variedade, diferença.”  Já no dicionário on line Michaelis encontramos como significado “1. Qualidade daquilo que é diverso, diferença, dessemelhança, variação, variedade. 2. Conjunto que apresenta características variadas, multiplicidade. 3. Ausência de acordo ou de entendimento, desacordo, divergência.”

 

O debate sobre a diversidade ganha cada vez mais espaço e relevância em nossa sociedade, havendo diferentes opiniões e aspectos a serem considerados. 

Mas afinal, o que é diversidade?

 

A palavra diversidade nos remete às dimensões primária, secundária e organizacional que cada indivíduo possui e desenvolve conforme sua inserção na sociedade.

 

Todo ser humano possui três dimensões que lhe constituirão de forma única, tornando-o diferente dos demais.  Num primeiro momento verificamos que o ser humano possui as características da dimensão primária, como sua idade, etnia, raça, gênero, orientação sexual e orientação regional (cultura regional). A dimensão secundária agrega as características que o ser humano adquire com seu desenvolvimento em sociedade, como a educação, a comunicação, o sotaque, o estado civil, a classe social, o modo de pensar, os valores, as crenças, a fé.   E, uma terceira dimensão, denominada de dimensão organizacional, conferirá características adquiridas pelo ser humano no seu ambiente laboral, tais como: a formação acadêmica, as especializações, o nível hierárquico que está inserido, as experiências profissionais. 

 

Importante destacar que o conjunto de todas essas características em todas essas dimensões apresentar-se-á de modo diverso para cada ser humano, tornando-o único, diverso e múltiplo em suas características.

Hoje, cada vez mais a diversidade é salutar para que ocorra o desenvolvimento da sociedade em variados aspectos, sendo que se está frente a um preceito e imperativo ético, qual seja – o respeito à diversidade!

 

Promover a diversidade é uma questão de justiça social, com respeito aos direitos humanos, em que se contribui para a construção de uma sociedade justa e democrática. 

 

Para promover a diversidade se faz necessário que se viabilize condições equitativas para que as pessoas possam se desenvolver nas dimensões secundária e organizacional, de modo a contribuir com o desenvolvimento da sociedade de forma economicamente estável.

 

A promoção à diversidade requer a adoção de políticas públicas efetivas capazes de corrigirem distorções que existem em nossa sociedade brasileira, como por exemplo a falta de acessibilidade das pessoas com deficiência aos serviços públicos e privados, bem como, a representatividade de pessoas com deficiência em postos de destaque; o baixo número de mulheres em postos de liderança e cargos políticos; o racismo ainda tão sorrateiro e que impede a elevação de classe social dos negros; a discriminação aos homossexuais, travestis, transexuais nos ambientes das organizações formais.

 

Mas, não só uma questão de justiça social e RESPEITO aos direitos humanos, o respeito e inclusão da diversidade confere o desenvolvimento das organizações tornando-as mais competitivas e com retorno financeiro positivo*, pois conseguem fazer a retenção de talentos e captação de novos talentos, aliando criatividade, percepções diferenciadas sobre um mesmo desafio a ser enfrentado com possibilidades diversas que não seriam obtidas senão por um ambiente de inclusão, que respeita o que observamos logo no início deste ensaio no conceito obtido na enciclopédia: a “qualidade ou caráter de diverso”.

 

Toda inclusão à diversidade como imperativo ético precisa ser autêntico, como verdadeiro valor organizacional e não apenas como uma ferramenta de gestão fundada no modismo, para que transmita credibilidade, com fiel alinhamento aos valores organizacionais*.  Isso que esperamos de uma sociedade justa e democrática!

 

* Deixo registrada minha nostalgia ao manusear a Enciclopédia Brasileira Mérito, que me remeteu às lembranças que quando criança, em fase escolar, muito me auxiliou com meus trabalhos escolares, sendo que na época não tínhamos meios ágeis e informatizados de pesquisa. 

 

** Sugiro o vídeo disponível em: https://www.ted.com/talks/verna_myers_how_to_overcome_our_biases_walk_boldly_toward_them?language=pt-br#t-43691 = “Como superar os nossos preconceitos? Caminhe corajosamente em direção a eles”, apresentado no TED Ideas Worth Spreading, por Vernã Myers.

 

** O leitor poderá enviar sugestões, dúvidas, questionamentos sobre o tema para o e-mail: advogados@leiteportellaadvogados.com.br ou no whatsapp 54 999496293.  Será um prazer aprimorar os estudos sobre o tema.

Leia Também Quem é Jesus para você? RABISCO SEMANAL: Jovem, in persona christi Conflito de Gerações no Ambiente Empresarial Caravanas pelo Brasil!