Ivermectina será vendida somente com receita médica, decide Anvisa

Compartilhe
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) incluiu a ivermectina na lista de medicamentos em que é obrigatório a retenção da receita médica.

A decisão, que foi publicada no DOU (Diário Oficial da União) dessa quinta-feira (23), tem por objetivo evitar a compra indiscriminada da substância. 

Segundo a agência reguladora, o antiparasitário não é recomendado para a prevenção e/ou tratamento da covid-19 —doença sistêmica provocada pelo novo coronavírus, que já matou mais de 84 mil pessoas no País. 

“O objetivo da norma é coibir a compra indiscriminada de medicamentos que têm sido amplamente divulgados como potencialmente benéficos no combate à infecção humana pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), embora ainda não existam estudos conclusivos sobre o uso desses fármacos para o tratamento da Covid-19", diz a Anvisa por meio de nota. 

A agência, responsável pela liberação e regulamentação de remédios, afirma que "não existem medicamentos aprovados para prevenção ou tratamento da covid-19 no Brasil". Qualquer uso fora das indicações previstas na bula devem ser feitos sob escolha e responsabilidade do médico que prescrever.

Alguns estudos com células in vitro (em laboratório) sugerem que o remédio seria eficaz no combate ao coronavírus. No entanto, a dose necessária teria de ser muito acima da máxima, o que requer mais estudos acerca da toxicidade do medicamento.

A ivermectina entra para uma lista que já conta com remédios à base de cloroquina, hidroxicloroquina e nitazoxanida. Todas essas substâncias só podem ser comercializadas com a retenção da receita.

*R7

Leia Também Defesa do médico Leandro Boldrini pede anulação do julgamento pela morte do menino Bernardo Semestre registra menor número de mortes no trânsito do RS em 14 anos Raio mata pecuarista e pelo menos 30 animais no Paraná Câmera flagra cliente arrancando cabelo e colocando em lanche antes de reclamar a vendedor